Rua do Xisto nº 150,
4475-509 Nogueira Maia

(351) 913 089 277
geral@centroanastacia.com

A Origem na história do sacrifício de animais

|
Escrito por Okanbi / Omo Aggayú

sacrifício de animais

Segundo conta o povo Yoruba através de uma história, era do sacrifício de todos os animais que os homens tinham, que podiam ser perdoados por Olofin das suas faltas e deveres. O sacrifício de animais permite que os seres humanos de hoje, evitem a fúria do criador seja descarregada numa humanidade conturbada por lutas e injustiças.  No início, os sacrifícios humanos eram oferecidos às divindades, mas este costume foi proibido por razões que indica uma das histórias sagradas desta religião. Diz-se que em uma ocasião, Orumilá fora à procura de um antílope da propriedade da sua mãe.

 

O animal correu em alta velocidade, mas Orumilá perseguiu tenazmente o animal. Mas o antílope, na sua corrida desenfreada caiu num buraco profundo e Orumilá também não pode evitar o obstáculo e caiu no mesmo buraco. Perseguidor e perseguido ficaram encurralados numa armadilha. Ambos gritam de forma a poder ajuda-los, mas durante muito tempo ninguém os ouviu. Depois de um tempo passou pelo lugar uma jovem, que ouvira os seus gritos e ajudou-os da sua prisão involuntária. Orumilá muito agradecido disse-lhe para a mulher, o que ela queria em troca do favor que havia prestado. Ela disse que sofria muito por não ter filhos, e pediu-lhe para conceder a forma de ter filhos. Orumilá permitiu que a mulher se concebe uma filha sua. Depois de muito tempo essa menina foi obrigada a ter de ser sacrificada e quando estava no momento da cerimónia, fez a seguinte declaração: "Se o meu pai sabia que eu ia ser sacrificada não permitiria isso"

 

santaria ou santeria cubana

Então as pessoas que ouviram essas palavras, perguntaram a menina quem era o seu pai, o que ela respondeu que era alguém cuja mãe tinha salvado depois de cair num buraco. Assim, quando Orumilá teve conhecimento de que a pessoa que estava indo para sacrificar era a sua própria filha, a partir daquele momento ele proibiu os sacrifícios humanos e ordenou que em vez dos sacrifícios humanos, seriam somente sacrificados animais.

 

"Não há luz sem sangue", portanto, deve sacrificar animais quando uma pessoa começa nesta religião; pois aquele que começa na religião dos Orixás, nasce para uma nova vida. Para ter a vida é necessário ser através do sangue, de modo que o sangue de animais é simbólico em rituais que visam dar início a um renascimento do indivíduo, numa outra vida mais elevada.

 

Cada Oricha tem vários tipos de animais, e o sacrifício de animais também tem um propósito concreto. Através do sacrifício que tentamos agradar uma divindade sobrenatural para obter um favor ou benefício. Os animais também servem para retirar qualquer má influência de um trabalho de bruxaria. Assim, seguindo o ritual apropriado, o indivíduo pode se livrar de uma doença ou morte que um feiticeiro tinha preparado.

 

Os sacrifícios também servem para recolher e afastar os espíritos enviados para perturbar uma pessoa. Esses espíritos juntam-se a pessoas vivas e criam constantemente problemas e embaraços. Em outros rituais simplesmente simbolizam fatores como a doença ou a morte. Uma vez feito o ritual adequado a remoção destes problemas da pessoa, são retirados de uma só vez e é assim o entendimento desta religião.

 

Okanbi

Com a bênção de Meu Pai Aggayú e Yemanjá

Para qualquer outra questão sobre este texto, pode-nos escrever para o nosso correio eletrónico e darei mais explicações ou retirarei dúvidas.


 
 

Comentar


Código de segurança
Atualizar

Categoria: