Astrologia Cigana

Astrologia Cigana

Uma prática de adivinhação

Tal como outras práticas de adivinhação ciganas, a astrologia cigana foi proibida durante o período de perseguições movidas a este povo. Nesse período, e por alegadas questões de segurança, muitos dos registos escritos existentes foram destruídos, perdendo-se assim grande parte de um conhecimento antigo e precioso, que muito teria ajudado a sociedade atualmente.

Amedrontados com as perseguições, os ciganos foram gradualmente deixando de lado os seus estudos e práticas, e as suas artes divinatórias ficaram praticamente reduzidas à quiromancia e cartomancia. Só em meados do século XX esses estudos foram retomados e hoje em dia ninguém ousa contestar os conhecimentos por eles reunidos. As ciências antigas voltaram a ser analisadas, e a tradição cigana foi alvo de um renascimento que se manteve até aos nossos dias. Tal como na astrologia ocidental, os ciganos dividem a roda zodiacal em doze signos, tendo cada um deles uma personalidade muito característica, um santo padroeiro, um cigano protetor, uma flor, uma vela, um perfume e um dia de sorte.

 

Na astrologia cigana é Punhal

(nascidos a 21 de março a 20 de abril)

O punhal é símbolo de luta e poder, representa honra, êxitos e vitória. Os ciganos utilizavam este objeto para abrir matas, sendo por isso sinónimo de pioneirismo e superação. As pessoas nascidas sob este signo são de temperamento instintivo, coléricos e não controlam os sentimentos. São guerreiros por natureza, têm um elevado sentido de responsabilidade e gosto pela aventura. A sua inquietação natural encontra-se aliada a um espírito dinâmico e ativo. Estão permanentemente com os olhos voltados para o futuro, tentando descobrir o que está para lá de cada montanha e de cada colina. Para estes nativos de Punhal o impossível é algo que não existe, pois, vivem movidos pela crença inabalável nas suas próprias capacidades. São indivíduos protetores, muito populares em sociedade, e a sua presença é sempre disputada, suscitando grande admiração pela forma corajosa como enfrentam os desafios. O santo padroeiro é São Nicolau, o cigano protetor é o Vladimir do Oriente, a flor o lótus, a vela a vermelha, o perfume a lavanda e o dia de sorte a terça-feira.

 

Na astrologia cigana é Coroa

(nascidos a 21 de abril a 20 de maio)

A coroa está relacionada com o ouro e a nobreza. Simboliza poder, amor puro, força e elegância. Para quem nasceu sobre este signo, a estabilidade financeira é fundamental. São pessoas melancólicas por natureza, calmas e obstinadas. Perseverantes e refletidas, inspiram confiança, mas revelam por vezes uma certa ingenuidade. A sua sensualidade está em permanente ebulição, valoriza a sinceridade e tem um modo carinhoso de lidar com as outras pessoas. Por outro lado, quando desconfiam de alguém, estão sempre atentas às intenções ocultas e às possíveis traições. A sua capacidade para o trabalho é admirável e aplica-se diligentemente de forma a atingir todos os seus objetivos, mesmo quando todos os outros já desistiram. A sua teimosia pode ser interpretada como orgulho próprio, pois, caminhará sempre de cabeça erguida, ostentando a sua “coroa” de glória. Oscilando entre as ideias conservadoras e o vanguardismo, estes nativos não suportam que brinquem com os seus sentimentos. O santo padroeiro é São Jorge, o cigano protetor é Ramiro, a flor o cardo, a vela a amarela, o perfume a rosa e o dia de sorte a sexta-feira.

 

Na astrologia cigana é Candeia

(nascidos a 21 de maio a 20 de junho)

A candeia representa a luz e a verdade, a clareza de ideias e a sabedoria. Nos acampamentos ciganos, as candeias eram usadas para iluminar a noite, para que pudessem dedicar-se à música e às suas artes de adivinhação. Por isso estas pessoas que nascem sobre esta influência são atribuídas uma inteligência brilhante, poder de comunicação e gosto pelos estudos e pela pesquisa. São pessoas românticas que nunca desistem de uma conquista. No entanto, não se dão bem com as grandes responsabilidades, porque detestam a rotina e o tédio. São versáteis, imprevisíveis, mas também altamente independentes. Estão sempre à vontade em ambientes estranhos, que aguçam a sua curiosidade e os incentivam a obter novos conhecimentos. Estas pessoas nascidas nesta época são consideradas volúveis, misteriosos e de carácter indecifrável. Em tudo o que fazem, os que nascem iluminados pela Candeia, colocam a sua marca. Procuram no dia a dia os prazeres subtis, e os seus sentidos são excitados por todo o tipo de fantasias. O santo padroeiro é a Santa Catarina, a cigana protetora é a Clarita, flor a rosa-vermelha, a vela de cor cinza, o perfume o floral, o dia de sorte a quarta-feira.

 

Na astrologia cigana é Roda

(nascidos a 21 de junho a 21 de julho)

Estando relacionada com a Lua, devido à sua forma arredondada, este signo cigano está muito ligado às emoções e à sensibilidade. Estas pessoas são dóceis, inseguras e com uma certa tendência para a nostalgia. Sonhadores incorrigíveis, facilmente se desiludem com os outros por isso se tornam um pouco pessimistas. São bondosos e estão sempre disponíveis para dar a mão aos amigos e familiares. Têm uma capacidade incrível para acalmar os ânimos em tempo de conflitos ou de crise. Isso atrai as pessoas e faz com que muitas vezes sejam obrigadas a esquecer os seus próprios problemas. Têm uma memória espantosa e nunca esquecem os erros e as alegrias do passado, gravando-os a ferro e fogo e trazendo-os ao presente sempre que podem. Normalmente atraem grandes simpatias, mas também invejas e ciúmes. O seu apego à família é muito forte e procuram muitas vezes refúgio nos seus sonhos e fantasias. Exigem amor e dedicação nas relações a dois, que são geralmente sólidos e duradouros. O santo padroeiro é São Luís Gonzaga, a cigana protetora a Esmeralda, a flor o lírio, a vela a prateada, o perfume a rosa e o dia de sorte a segunda-feira.

 

Na astrologia cigana é Estrela

(nascidos a 22 de julho a 22 de agosto)

A estrela cigana possui seis pontas, formando dois triângulos iguais que indicam igualdade. Este símbolo é representativo do sucesso e evolução interior. Quem nasce sobre este signo é alguém com alto astral, que nasceu para brilhar a vida inteira. Vive intensamente cada momento e tem uma apetência muito especial para atrair as outras pessoas com o seu magnetismo. Consegue sempre ótimas oportunidades para chegar onde quer. A sua natureza é enérgica e ambiciosa, cheia de iniciativa e poder de decisão. A simpatia constante, aliada a uma forte intuição, a justiça e a honradez, fazem destas pessoas uma figura bem conhecida. Pelo lado negativo, são demasiados impulsivas e podem tornar-se violenta em situações de conflito verbal, ou quando provocada. Sendo generosos, perdoam facilmente desde que não tentem dominá-los ou humilhá-los. Deixam-se guiar mais pelas emoções do que pela razão, e a sua popularidade faz com que todas as portas sejam-lhe abertas com facilidade. O santo padroeiro é São Tiago, a cigana protetora é Yordana dos Ventos, a flor o cravo vermelho, a vela a laranja, o perfume o sandalo e o dia de sorte o domingo.

 

Na astrologia cigana é Sino

(nascidos a 23 de agosto a 22 de setembro)

Nos tempos passados, o sino era usado como relógio, por isso os ciganos o associaram sempre à exatidão, à pontualidade e à disciplina. As pessoas que nascem sobre esta influência são extremamente organizadas e dão-se muito bem com qualquer atividade que exija habilidade e atenção aos detalhes. Move-as um desejo compulsivo de atingir a perfeição em tudo o que fazem, mesmo no plano da espiritualidade. Estão sempre atentos às necessidades e carências do seu próximo e são bastante carinhosos. Tendo um espírito analítico e observador, são capazes de dar bons conselhos, mas dificilmente exprimem os seus sentimentos. Quando por qualquer motivo se sentem rejeitados, tornam-se agressivos e isolam-se do mundo. As suas críticas e opiniões são mordazes e usam a ironia como arma de defesa. Não guardam ressentimentos e depressa esquecem os acontecimentos menos agradáveis. Na vida profissional, traçam metas e objetivos realistas, que estejam ao seu alcance, preferindo não arriscar em altos voos. Embora seja independente, estas pessoas de Sino gostam de interferir na liberdade alheia, o que lhes causam muitos problemas na vivência em família. O santo padroeiro é São Bartolomeu, a cigana protetora é Letícia Dei Oro, a flor a verbena, a vela a violeta, o perfume a gardénia e o dia de sorte a quarta-feira.

 

Na astrologia cigana é Moeda

(nascidos a 23 de setembro a 22 de outubro)

Ao longo dos tempos, a moeda sempre esteve associada ao equilíbrio e à justiça, bem como à riqueza material e espiritual (respetivamente representadas pela cara e pela coroa). Na cultura cigana, quem nasce sobre este signo é alguém que vive de amores e sentimentos, com grandes talentos artísticos. É uma pessoa cordial, afetuosa, conciliadora, mas também um pouco indecisa. Os maiores artistas ciganos, conhecidos no mundo pertencem a este signo. É através da arte que realizam os seus sonhos, sendo dotadas de uma criatividade sem limites. Facilmente conquistam e seduzem o sexo oposto, vivendo em permanente alerta amoroso, à procura da paixão ideal. Sentem-se estimuladas quando têm de enfrentar desafios, são fiéis e dedicadas e, quando se apegam a uma pessoa, criam uma dependência quase mórbida. Espalham à sua volta otimismo e bondade, o que a torna muito popular. Procuram nas outras pessoas a beleza e a harmonia, tentando abstrair dos aspetos negativos. Quem nasce com o signo de Moeda é alguém que, mais dia, menos dia, se tornará reconhecida e será valorizada pelos seus dons naturais. O santo padroeiro é São Cosme e São Damião, o cigano protetor é Rugero Malvasquez, a flor a dália, a vela de cor amarela, o perfume a alfazema o dia de sorte a sexta-feira.

 

Na astrologia cigana é Adaga

(nascidos a 23 de outubro a 21 de novembro)

Na tradição cigana, a adaga é entregue ao jovem quando ele sai da adolescência e entra na idade adulta. Por isso este signo é associado às grandes mudanças, e a estas pessoas são atribuídos temperamentos forte e enigmático. Procuram aprofundar constantemente o que se passa à sua volta, são misteriosos, de emoções e sentimentos fortes e arrebatados. Os seus instintos são muito vincados, predominando sobre os aspetos da racional idade e da lógica. No orgulho, são excelentes observadores que por vezes tem dificuldade em comunicar as suas ideias. As suas personalidades impõem-se, e quando emitem opiniões fá-lo-ão com a maior segurança e conhecimento de causa, suscitando respeito e admiração. Apresentam-se sempre cercados por uma aura de mistério que os tornam diferentes dos outros nativos. Tentam não revelar a sua vida íntima, evitando expor-se à curiosidade alheia. O seu ciúme e possessividade ofuscam muitas vezes o seu poder de atração e a sua sensualidade. Apaixonam-se com a mesma facilidade que odeiam, são exigentes com os outros, mas não perdoam nada, nem as suas próprias falhas, que jamais consegue esquecer. O santo padroeiro é o santo António, a cigana protetora a Urdela, a flor o crisântemo, a vela de cor vermelha, o perfume a almíscar e o dia de sorte a terça-feira.

 

Na astrologia cigana é Machado

(nascidos a 22 de novembro a 21 de dezembro)

Este objeto é considerado pelos ciganos como o grande destruidor de barreiras e obstáculos criados pela própria natureza. Quem nasce sobre esta influência usa a liberdade pessoal como arma de arremesso e de proteção em simultâneo. É uma pessoa aventureira, que não gosta de estar muito tempo no mesmo lugar. O seu pensamento é ágil como o vento e intenso como as tempestades. Tudo para estas pessoas são sinais de alegria e entusiasmo. Apaixonam-se e esquecem com facilidade, são otimistas e independentes e fazem da vida um jogo permanente no qual gosta de arriscar e ganhar. Mesmo quando perdem, encaram as suas derrotas como meios de aprendizagem. Precisam de estar em constante movimento para se sentirem felizes. Os seus defeitos mais evidentes são a inconstância e a atração pelos riscos. Sempre envolvidos em novas experiências, estes nativos são demasiados francos e facilmente magoam os outros através das suas acusações diretas. Sendo extrovertidos e inquietos, depressa se tornam populares, até porque a sua curiosidade a leva de encontro a pessoas que não pertencem ao seu meio social ou cultural. O seu modo de pensar e de agir nem sempre é bem compreendido pelos outros, estando por isso sujeita a críticas constantes às quais geralmente não gostam de dar ouvidos e que nem sequer afetam o seu comportamento. O santo padroeiro é Santa Cecília, a cigana protetora é Zoraia, a flor a orquídea, a vela de cor púrpura, o perfume o jasmim e o dia de sorte a quinta-feira.

 

Na astrologia cigana é Ferradura

(nascidos a 22 de dezembro a 20 de janeiro)

Para os ciganos, a ferradura representa o esforço e o trabalho. Ainda é um poderoso talismã que atrai a fortuna, a sorte, afastando tudo o que é negativo. Quem nasce sobre esta influência é alguém que procura levar uma vida estável, que abdica das fantasias estabelecendo objetivos concretos que tem a certeza de poder atingir. São geralmente pessoas algo melancólicos, introvertidos e muito prudentes. Possuem um forte sentido de responsabilidade e grande dedicação ao trabalho. Não revelam as suas emoções por isso parecem um ser frio e distante. A sua meta principal é a segurança. Gostam de se movimentar em espaços abertos, desertos, mas cheios de luz. A sua preocupação com o futuro por vezes impede que vivam, tranquilamente o presente. São pessoas que desafiam constantemente os seus próprios limites, na esperança que os outros reconheçam as suas múltiplas capacidades. Guardam dentro de si um potencial de emoções muito forte, e dificilmente conseguem verbalizar os seus sentimentos, que transmitem através de ações e da sua generosidade. O santo padroeiro é São João, a cigana protetora é Rochele de Bréscia, a flor a violeta, a vela de cor azul-claro, o perfume limão e o dia de sorte é sábado.

 

Na astrologia cigana é Taça

(nascidos 21 de janeiro a 19 de fevereiro)

A taça é, entre os ciganos, símbolo de união e recetividade. No casamento cigano, os noivos bebem vinho numa única taça, gesto que representa comunhão eterna. Quem nasce sobre esta influência é inteligente, humano, inquieto, original e inovador. Aprecia a sinceridade e vive em função dos outros, pensa que todos os seres humanos merecem a sua atenção e dedicação. São pessoas que possuem um temperamento audacioso e humanitário, preocupando-se no seu dia a dia com os interesses coletivos. Sabem como se impor e sobressair em sociedade, é anticonvencional e detestam a rotina e o conservadorismo. Estão constantemente à procura de novos ideais, reformulando e renovando, impondo-se pela sua originalidade e criatividade. As novidades fascinam estes nativos, por isso entram frequentemente em conflito com a família, que por vezes descuram ou abandonam em prol de causas que consideram prioritárias. Assumem-se como pessoas preocupadas com o futuro da humanidade e tem uma forte vocação humanitária que se manifesta desde a infância. Apenas testando os seus limites, conseguem encontrar a paz e a sua realização pessoal. O santo padroeiro é São Vicente, a cigana protetora é Yajuri, a flor a papoila, a vela de cor azul-marinho, o perfume a canela e o dia de sorte o sábado.

 

Na astrologia cigana é Capela

(nascidos a 20 de fevereiro a 20 de março)

Para o povo cigano, a capela é, símbolo de fé e da religiosidade. É a casa habitada por Deus, o local onde despertam a força e o amor. As pessoas que nascem nesta data são sensíveis, leais, justas, sonhadoras e viradas para a espiritualidade. São-lhe atribuídos dons de clarividência e grande intuição para prever os acontecimentos futuros. Naturalmente, inclinados para o misticismo, estas pessoas têm grande capacidade de renúncia e espírito de sacrifício. Talvez por serem dotados de muita energia, são exigentes consigo mesmos e vão até aos limites da sua resistência física. A sua saúde passa por altos e baixos, pois, quando esgota as suas capacidades entram num estado de apatia total. Por vezes sentem-se perdidos num mundo que consideram excessivamente materialista e cruel, sentindo-se sem rumo, e ansiando ter vivido numa outra época. Sonham com os séculos em que o romantismo predominava e anseiam encontrar um amor à moda antiga, arrebatado e estável ao mesmo tempo. Dedicando-se a uma atividade que lhes agradam, mostram empenho e dedicação, jamais deixando de fantasiar, e tentando fazer da sua vida um filme em que possam ser os protagonistas, de preferência a pessoa heroína, romântica e com o dom de tornar os outros mais felizes. O santo padroeiro é São Sérgio, o cigano protetor é Tiziano, a flor o nenúfar, a vela verde, o perfume a glicínia e o dia da sorte a quinta-feira.

 

Perceba este maravilhoso povo

Sabemos de antemão que o povo cigano existe há muitos e muitos anos, sempre numa cultura de misticismo e crenças antigas. Temos ainda conhecimento de que os mesmos transportam consigo uma variedade de costumes, bem como imensas lendas. O artigo aborda em questão, é a presença desse povo e da sua influência espiritual em determinadas religiões. Ordenadamente, vamos organizar, conhecer a presença desse povo e da sua influência espiritual na sociedade atual.


 

Ser cigano

Ser da etnia cigana, significa respeitar a sua liberdade e a dos outros, a natureza é, na sua perspetiva, viver e deixar viver. Também acreditam que é preciso ter a lucidez de saber esperar, e preferem morrer com honra, do que viver desonrado. Levam em prática o lema ser feliz, e agradecer as pequenas coisas da vida. Respeitam os mais velhos e as suas crianças, e nunca contestam a Justiça Divina. Os ciganos também não possuem sacerdotes ou curandeiros, ou ainda um feiticeiro em particular, pois, cada cigano e cigana tem os seus próprios talentos para a magia. Todo o povo cigano se considera portador de virtudes doadas por Deus como património de berço, cabendo a cada um desenvolver e aprimorar os seus dons divinos da melhor forma adequada. Existem diversos autores que citam que cada grupo cigano tem o seu feiticeiro particular denominado “kakú”, porém, esta palavra no idioma romani significa apenas homem ou mulher, não, tendo qualquer credibilidade esta afirmação. Os ciganos preferem e acham mais correto o termo clã para denominar os seus grupos.

 

Origens

Existem muitas lendas e histórias sobre as origens do povo cigano, desde que foram guiados por um rei no passado e que se instalaram numa cidade da Índia chamada Sind. Uma segunda lenda, narrada pelo Firdausi no século V d.C. (foi um poeta considerado o pai da língua persa, escreveu a maior epopeia existente nessa língua - o Shahnameh ou “Livro dos reis” um poema com cerca de 60 000 dísticos, versos de duas estrofes), um rei persa mandou vir da Índia dez mil Luros, nome atribuído aos ciganos, para entreter o seu povo com música.

As maiores certezas sobre as origens dos ciganos foram obtidas através de estudos linguísticos feitos a partir do século passado. Entre muitas características comuns, os vários dialetos que constituem a língua cigana, chamado romani ou romanês, e algumas línguas indianas, como o sânscrito, permitiu que se estabelecesse, com certeza, uma origem indiana dos ciganos. Na questão da razão pela qual abandonaram as terras nativas da Índia, permanece envolvida em mistério. Parece que eram originariamente sedentários e que devido ao surgimento de situações adversas, tiveram que viver como nómadas.

Houve muitos preconceitos, discriminação e até chegar às perseguições, foram um passo. Na Sérvia e na Roménia foram mantidos em estado de escravidão por um certo tempo, e sob o nazismo os ciganos tiveram um tratamento igual aos dos judeus. Calcula-se que meio milhão de ciganos tenha sido eliminado durante o regime nazi. Atualmente os ciganos estão presentes em todos os países europeus, nas regiões asiáticas por eles atravessadas, no médio oriente e do norte de África. Na Índia existem grupos que conservam os traços exteriores das populações ciganas: trata-se dos Lambadi ou Banjara, seminómadas que os “ciganólogos” definem como “Ciganos que permaneceram na pátria”. Recentes estimativas sobre a consistência da população cigana indicam um valor cerca de 23 milhões de indivíduos. Deve-se salientar que estes dados são aproximados, pois, na ausência de censos, esses se baseiam em fontes de informação nem sempre corretas e confirmadas.

 

Os principais grupos ciganos

Atualmente, existe um sem número de grupos ciganos, sendo os mais expressivos no presente os seguintes:

 

Clã Kalon

As grandes características deste clã, foram fixarem residência especialmente em Espanha e Portugal, onde sofreram muitas perseguições, pois, sendo estes países profundamente católicos e conservadores, não podiam admitir os costumes ciganos. Foi também proibido falar o seu idioma, usar as suas vestes típicas e realizar festas e cerimónias segundo as suas tradições. Num termo de comparação o que os ciganos sofreram na Península Ibérica, lembra de uma certa maneira o que os negros passaram nos Estados Unidos e no Brasil. Apesar de todos os sofrimentos o Clã Kalon sobrevive até os dias atuais, sendo um dos grupos que mais fieis, segue as tradições ciganas e acredita-se serem originários do antigo Egito.

 

Clã Moldovano

Um clã de pele mais clara e olhos azuis, que é originário da antiga União Soviética, devido aos rigores do inverno russo e do cruzamento de raças. Uma das vantagens deste clã, é que sobre as pesadas roupas e capotes escuros, mal reconhecemos a sua origem cigana. A denominação “moldavano” vem da palavra Moldávia, uma região da Europa Central, que chegou a fazer parte do Império Russo e da antiga URSS.

 

Clã Hoharanô

Poucas informações detemos deste clã, mas o que sabemos têm uma origem turca, e se destacaram em especial como grandes criadores de cavalos. Devido a serem grandes criadores de cavalo, uma grande parte deste clã chegou a América Central, especialmente Brasil e Bolívia no final do século XVIII.

 

Clãs Kalderash e Matchuiya

Os ciganos do grupo Kalderash são originários da Roménia e da antiga Jugoslávia, o berço dos Matchuiya. Os primeiros clãs de ciganos a chegarem ao Brasil eram do clã Kalon e vieram de Portugal em meados do século XVII. Nessa época (Portugal), necessitando de mestres de forja no Brasil, enviou-os para lá para que fabricassem ferraduras, armamentos e ferramentas. Devido a sua especialidade a lidar com o ferro, fizeram também utensílios domésticos, como tachos e alambiques para o fabrico de aguardente (bagaço), famosos até hoje por serem extremamente bem-feitos e resistentes.

 

A família

Quando falamos da família cigana, o domínio é exercido de uma maneira autoritária pelo homem. Ele é sempre o líder, e é a ele que compete a proteção, a segurança e o sustento da família. Devido a isso a mulher e os filhos respeitam-no com máxima autoridade, e são lhes inteiramente subordinados. Na cultura cigana são sempre os homens que resolvem os conflitos, acertam o casamento dos filhos, decidem o destino da viagem e se reúnem em conselhos sobre assuntos abrangentes e comuns ao Clã.

Uma grande maioria das mulheres ciganas não trabalham fora do lar, e quando vão às ruas para ler a sorte, esta tarefa é entendida como um cumprimento de tradições e não como parte do sustento da família, apesar de elas entregarem aos maridos todo o dinheiro conseguido. Os ciganos formam casais legítimos unidos pelos laços do matrimónio, e os seus costumes não permitem viverem juntos sem um casamento ou aceitarem a traição, que se paga com a vida. Vivem juntos geralmente até à morte e raramente ocorrem entre eles separações ou divórcios, que somente acontecem se existir uma razão muitíssimo grave e com decisão do tribunal reunido, para julgar a questão.

O casal marido e mulher, são sempre muito reservados e discretos em público, não trocando nenhum tipo de carinho que possa ser entendido como intimidade. Tudo é vivido somente em absoluta privacidade. Enquanto o homem cigano representa o esteio e o braço forte da família, a mulher significa o lado terno e de proteção espiritual dos lares ciganos. Todas as mulheres devem cuidar das tarefas do lar, e as meninas ficam sempre ao redor da mãe, auxiliando nos trabalhos da casa, ajudando a tratar dos irmãos menores e aprendendo as tradições e costumes como a execução da dança, a leitura das cartas e das mãos, a realização dos rituais e cerimónias, os preceitos religiosos. Se uma criança ou jovem cigano sai dos eixos, tem um comportamento inadequado ou procede mal, geralmente a mulher é responsabilizada por tais feitos. Para a mulher cigana, o milagre mais importante da vida, é o da fertilidade. Quanto mais filhos tiver, é considerada pelo seu povo, uma mulher dotada de sorte. A pior praga para uma mulher cigana é desejar que ela não tenha filhos. Talvez seja esse o motivo das mulheres ciganas terem desenvolvido a arte dos rituais de simpatias e garrafas milagrosas para a fertilidade.

 

Representantes da sabedoria

A meu ver, em todo o clã cigano, são os idosos os merecedores da mais alta estima e respeito. Eles são vistos e tratados como os detentores da sabedoria e da experiência de vida acumulada. Todos os seus conselhos são ouvidos pelos jovens e pelos adultos como sendo a voz do conhecimento aprendido na prática, da vida do dia a dia. São-lhes dado a responsabilidade pela transmissão oral dos ensinamentos e tradições, por isso são considerados como sábios. No passado, manda a tradição que os mais jovens lhes beijem as mãos em sinal de respeito. Possuem um lugar de destaque nas festividades e cerimónias ciganas, atuando também como conselheiros e consultores nos tribunais de justiça.

 

Religião

O povo cigano ao deixar a Índia, não carregou consigo suas divindades. Apesar da cultura, eles possuíam na sua língua apenas uma palavra para designar Deus (Del, Devel). Como povo adaptou-se facilmente às religiões dos países onde permaneceram. Nas civilizações antigas como, por exemplo, no tempo bizantino tornaram-se cristãos, na Turquia muitos ciganos permaneceram cristãos enquanto outros renderam-se ao Islão. Por isso é que não detêm uma religião própria. Agora, o que sabemos é que Santa Sara de Kali poderá ser a padroeira do povo cigano, é quase desconhecida, como também é pouco conhecida a sua história. O que sabemos é que foi uma cigana escrava que venceu os mares com a sua fé e virou Santa. Conta a lenda que Maria Madalena, Maria Jacobé, Maria Salomé, José de Arimatéia e Trofino, junto com Sara, uma cigana escrava, foram atirados ao mar, numa barca sem remos e sem provisões.

Desesperadas as três Marias puseram-se a orar e a chorar. Sara então retira o seu lenço da cabeça, chama por Jesus Cristo e promete que se todos se salvassem, ela seria escrava de Jesus, e jamais andaria com a cabeça descoberta em sinal de respeito. Milagrosamente, a barca sem rumo, atravessou o oceano e aportou com todos salvos em Petit-Rône, hoje a tão querida Saintes-Maries-de-La-Mer, no sul de França. Sara cumpriu a sua promessa até o final dos seus dias. As suas histórias e milagres, a fez Padroeira Universal do povo cigano, sendo festejada todos os anos no dia 24 de maio. Segundo está lenda a tradição de toda a mulher cigana que casa é usar um lenço na cabeça, tornando a peça mais importante do seu vestuário, tanto que quando se quer presentear uma cigana com o mais belo presente, se diz: “darei-te um lindo lenço”.

Além de trazer saúde, prosperidade, Santa Sara de Kali era adorada também pelas ciganas por ajuda-las diante da dificuldade de engravidar. Muitas que não conseguiam ter filhos, faziam promessas, no sentido de que se concebessem, iriam à cripta da Santa, em Saintes-Maries-de-La-Mér, fariam uma noite de vigília e depositariam aos seus pés como oferenda, um lenço, o mais bonito que encontrassem. Lá existem centenas de lenços, como prova que muitas mulheres receberam essa graça.

 

O povo cigano na espiritualidade

O povo cigano trata-se de um grupo constituído por pessoas que tem como grande costume a espiritualidade e a sua devoção. Como os ciganos são nómadas, já tiveram em contacto com muitas civilizações e culturas que acabaram por adquirir os seus costumes e lendas. No entanto, devido à sua cultura ancestral também deram o seu lado místico através da música, um povo alegre, feliz, leem as mãos, cartas, entre outros objetos de leitura. Os ciganos são poeticamente denominados dos “Filhos do Vento”, pela sua liberdade, mobilidade, sempre ao sabor do vento percorrendo todo o mundo na sua mágica trajetória. Profundos conhecedores dos caminhos, na sua saga milenar vêm recolhendo conhecimentos iniciáticos de todas as culturas e tradições. Outra característica marcante é o seu conhecimento místico por meio das cartas do Tarot ou Ciganas, materiais como bolas de cristal, estrelas do mar e simples copos de água desdobram-se nas suas visões do futuro, presente e passado.

 

Nomes de ciganos e ciganas

Outra característica é os nomes dados aos seus filhos no nascimento. Dão grande importância ao nome da criança, pois, acreditam que assim, o futuro dessa criança será risonho e próspero. 

 

  • Alba – Branca ou pureza
  • Alzira – Ornamento e beleza
  • Amapola - Bela flor
  • Aurora - Deusa da manhã
  • Bóris - Batalhador, forte e guerreiro
  • Cármen - Poema, poesia e versos
  • Carmecita ou Carmela - Jardim divino
  • Constância - Caráter forte
  • Cristiano – Cristão e religioso
  • Dalila - Mulher dócil
  • Diogo - O conselheiro
  • Dolores - Lamentações
  • Esmeralda - Preciosa
  • Florisbela - Bela e atraente
  • Gonçalo - Salvo na guerra
  • Lago - Aquele que vence
  • Igor - Príncipe da paz
  • Jade – Pessoa preciosa
  • Jasmim - Verdadeira
  • Leoni - Corajosa
  • Manolo - Deus está connosco
  • Miro – Excêntrico ou pessoa maravilhosa
  • Natasha - Vida
  • Nazira - Pessoa distinta
  • Nicholas ou Nikolai - Povo vitorioso
  • Pablo – Atraente e misterioso
  • Ramon - Protetor e poderoso
  • Ramirez - Guerreiro ilustre
  • Ruan ou Juan – Crente
  • Samara: Protegida por Deus
  • Sara - Princesa
  • Soraya - Estrela da manhã
  • Tâmara - Fruto doce
  • Tarim - Caprichoso
  • Válter - Comandante do exército
  • Vladimir - Regente
  • Zafira - Graciosa
  • Zaíra ou Zaira – Visitante ou a florida

 

Rituais mais conhecidos

Deixamos aqui alguns rituais do povo cigano, das suas simpatias energéticas e dos seus rituais básicos deste povo.

  

O nome na maçã

Pegue uma maçã e um papel branco. Escreva nesse papel o nome da pessoa amada, faça um furo na maçã e coloque, nesse orifício, o papel com o nome escrito. Feche esse buraco com mel e açúcar. Vá até um jardim público, coloque-se de costas e atire a maçã sobre a cabeça. Retire-se sem olhar para trás e não deve retornar a esse lugar por sete dias.

 

Encantamento com fotografia

Pegue uma fotografia da pessoa amada, amarre uma fita vermelha horizontalmente, deixando as pontas pendentes. Prenda-a do lado de fora da porta da frente da sua casa, numa noite de lua cheia, após as nove horas da noite. Deixe até ao dia seguinte, e então deve retirar e pô-la debaixo do travesseiro, até a pessoa voltar. (E ela volta!).

 

Para prender o coração de alguém

Costure um saco de veludo vermelho colocando dentro arruda, uma foto do seu amor e alecrim, de forma que a foto fique entre as duas plantas. Termine de fechar com linha, mas não dê nenhum nó no arremate. Simplesmente continue alinhavar ao redor do saco até a linha terminar. Nenhum pedaço deve sobrar nem ser jogado fora. Feito isso, introduza a agulha no interior do saco. Passe a carregar consigo esse talismã e sempre nas sextas-feiras de lua cheia, tente se aproximar dessa pessoa e conversar, mas sempre só após as nove horas da noite. Quando conseguir o que pretende, enterre o saco perto de uma bonita árvore.

 

Receita cigana de banho para atrair o seu amor

Se tem uma banheira, use-a. Se não, coloque numa panela grande, contendo 2 litros de água. Coloque arruda, erva-doce, açúcar cristal, um ramo de oliveira e uma gota do seu perfume usual na água aquecida, sem ferver. Após o seu banho normal, deite a água sobre si ou entre na banheira, mentalizando o seu amor. Acenda uma vela vermelha para o cigano Wladimir (protetor dos grandes amores).

 

Ritual de nascimento

O cigano preserva muito a sua sorte. Existem várias crenças para mantê-la, da vida uterina até a morte. Diariamente a cigana faz um ritual simples para que a criança ao nascer tenha sorte. Ao avistar os primeiros raios de sol, passa a mão na sua barriga, e da mesma forma, logo que vê a lua, ela repete o gesto, desejando sorte e felicidade para o bebé. Esta é a forma dela saudar as forças da natureza e pedir-lhe as bênçãos das suas luzes para a vida que já existe no seu ventre. No sétimo dia após o nascimento da criança a mãe dá um banho no bebé, jogando moedas e joias de ouro e pétalas de rosas na sua água, para que o filho ou filha conheça sempre a fartura, a prosperidade e a riqueza.

 

O significado dos incensos no povo cigano

Todo o incenso deve ser usado com muita cautela nunca em demasia como fazem algumas pessoas, e ser sempre dirigido a alguma causa. Não deve ser utilizado simplesmente por usar, por nada ou sem motivo. Sempre ter uma mensagem ou pedido direcionado a alguém. O incenso é um expediente sagrado e tem sido usado em rituais sagrados de toda a espécie desde que o homem é homem. O uso inadvertido ou pouco conhecido de determinados instrumentos, regra geral a rituais, consagrações e outros tantos motivos, não é aconselhável. Facto que nos leva à necessidade de orientação, pesquisa e instrução a esse respeito. Quando se tratar de um espírito cigano (guia), com certeza ele indicará o incenso da sua preferência ou da sua necessidade naquele momento, regra geral o incenso mantém sempre correspondência com a área de atuação dele ou dela ,ou do trabalho que estará a ser feito.

 

  • MADEIRA: para abrir os caminhos
  • ALMISCAR: para favorecer os romances
  • JASMIM: para o amor
  • LOTUS: paz e tranquilidade
  • BENJOIM: para proteção e limpeza
  • SANDALO: para estabelecer relação com o astral
  • MIRRA: incenso sagrado usado para limpar após os rituais e também usado quando vai se desfazer alguma demanda ou feitiço
  • LARANJA: para acalmar alguém ou ambiente

 

Descubra o seu guia cigano

Muitas vezes foi-me perguntado como se pode saber quem é a nossa cigana nas cartas. Para responder a isso primeiro precisamos saber quem eram esses povos ciganos. Sobre o povo cigano não se têm ao certo uma definição conclusiva. O que há de entendimento geral é que, o cigano, é um indivíduo nómada, originário do norte da Índia e espalhado em pequenos grupos pela Ásia, Europa, África do Norte e algumas partes da América na totalidade. 

Desde criança eu ouvia falar em Santa Sara Kali, a padroeira dos ciganos, mulher da Etiópia escravizada no Egito e que prometeu a Jesus Cristo que usaria para sempre um lenço na cabeça ou uma flor no cabelo como sinal de respeito e devoção a Ele depois de ser salva das águas do oceano. Para sabermos quem é a nossa cigana nas cartas, precisa deixar a magia cigana contagiar. Saber quem é a nossa cigana é estarmos de braços abertos prontos para acolher sem restrições, com todo o carinho e dedicação para poder se libertar, para poder respirar tranquilamente, desabafando com a sua querida cigana.

Através das cartas podemos dar o primeiro passo para descobrimos se tem como guia uma cigana. Caso se confirme, passa, entretanto, por uma sessão espiritual dedicada aos guias ciganos, para sabermos com exatidão quem o/a acompanha. Após essa sessão pode dar seguimento a criação de um altar, oferendas e tudo o que a sua cigana precisa. Estes são os passos mais comuns para alcançar o saber quem é a nossa cigana nas cartas. Quando isso acontecer, é o maior tesouro do universo.

 

Criação do seu altar da sua cigana

  • Precisa de uma imagem de Santa Sara.
  • De uma boneca cigana, que representa a sua guia espiritual.
  • Imagem do cigano Wladimir.
  • Um baralho do Tarot cigano.
  • Pedras variadas, por exemplo, cristais, ametista, quartzo de várias cores, perita, ónix, malaquita, hematita, calcita, ágata, citrina ou sodalita).
  • Uma pirâmide de cristal em tamanho pequena.
  • Um incensário e incensos variados.
  • Precisa de uma vela de 7 dias. Particularmente eu uso as cores vermelhas, azul-claro, amarela, variando entre elas, segundo o pedido que eu mentalize no momento em que as acendo.
  • Um leque e castanholas, se for uma cigana espanhola.
  • Fitas finas, coloridas, medindo 70 cm cada uma e usar as cores verde, vermelho, amarelo, lilás, azul-claro, azul-escuro, rosa, menos preta e castanho. Essas fitas devem ser colocadas nas mãos unidas de Santa Sara.
  • Três taças, de preferência em cristal, devido à pureza do material.
  • Uma toalha na cor vermelha (amor), dourada (prosperidade), ou na cor da sua preferência, menos preta e castanha. Pode comprar o pano e mandar uma costureira fazer como desejar.
  • Um jarro de flores, podendo ser fino, desde que caiba no mínimo três rosas.

 

Montar um altar

Não têm mistério para montar o seu altar, use a sua intuição. Esse é um altar simples, com poucos elementos e que não ocupa muito espaço. Conforme a sua relação de afinidade com o (a) cigano/cigana espiritual for crescendo, novos elementos podem ser acrescentados conforme o gosto dele (a). Forre a mesa que será utilizada com a toalha, coloque a Santa Sara e o Cigano Vladimir no centro. Abra o baralho à frente de Santa Sara, de modo a energizá-lo para futuro trabalho (se for trabalhar com cartas) ou apenas para homenagear a Santa com elementos da tradição cigana. As pedras devem ser lavadas em água corrente e se possível deixada de um dia para outro em água com sal grosso. Se não puder fazer a limpeza com sal, lave-as com água e mentalize com fé o pedido de limpeza das pedras, e que a energia delas seja utilizada para o "bem". 

Acomode-as num prato de louça ou barro, conforme a sua vontade. O incensário pode ficar em qualquer local da mesa, desde que longe de tecidos para evitar o perigo de incêndio. Use o incenso que desejar, conforme a necessidade do ambiente (saúde, prosperidade, limpeza espiritual). Mantenha as taças sempre cheias, ou com água que deve ser trocada a cada 3 dias, vinho branco ou tinto ou sangria (com vinho tinto). Para a cigana, se for da preferência dela, ofereça champanhe. Quando for trocar a bebida, despeje a antiga em água corrente, pode ser na pia com a torneira aberta, deixando que se vá com a água. Pode oferecer frutas para Santa Sara e para o povo cigano, para agradar e agradecer a proteção desse povo no seu lar.

Pode fazê-lo uma vez por mês, não sendo necessário mais que isso. Lembre-se de deixar a oferenda no máximo por 1 ou 2 dias no altar, descartando em local apropriado antes que se deteriorem, evitando insetos e mau cheiro no altar e em casa. Um conselho que ao elevar o seu pensamento e prece em frente ao altar de Santa Sara, faça-o com o corpo limpo (nunca suado ou sem roupa) e para as mulheres, de preferência com um véu branco ou azul-claro cobrindo os cabelos, como sinal de respeito. Se der uma festa ou receção em casa onde as pessoas comam e bebam perto do altar, cubra-o com um pano claro (lençol ou toalha de mesa na cor branca, que tenha sido reservado para esse fim). Antes, claro, apague as velas e incensos. Só o descubra após as visitas saírem. Não permita que pessoas cuja energia não conhece, toque no seu altar, principalmente nas pedras e no baralho, esse só deve ser manipulado pela (o) dona (o). Mas é permitido e acima de tudo, um ato de caridade, permitir que uma pessoa aflita se ajoelhe em frente a Santa Sara e faça os seus pedidos e orações, pois, a Santa Mãe de todos, ciganos e não ciganos, médium e não médium, espírita ou não espírita.

Boa sorte na preparação do seu altar e não se esqueça, use a sua intuição, ela é melhor que qualquer orientação escrita.

 

Os significados de algumas frutas

  • Uva rubi: prosperidade
  • Uva verde: saúde
  • Uva-passa ou ameixa: progresso
  • Morango: amor
  • Damasco: sensualidade
  • Pêssego: equilíbrio pessoal e sedução
  • Limão: energia positiva e purificação da alma
  • Laranja: para afastar energias negativas
  • Romã: espiritualidade
  • Pera: simboliza a imortalidade e a boa saúde, também traz prosperidade pela cor amarela e relaciona-se com o trabalho
  • Abacate: saúde
  • Maçã: amor e transmutação de energia de ambientes
  • Manga: sexualidade e amor incondicional
  • Figo: prosperidade
  • Melancia: prosperidade e fartura
  • Melão: simboliza o sol, energia vital e prosperidade
  • Sempre quando oferecemos a maçã, devemos oferecer a pera, pois, a maçã simboliza a cigana e a pera simboliza o cigano

 

Como agradar a sua cigana espiritual?

Vai precisar de:

  • 1 cesta de vime
  • 1 lenço colorido
  • 6 pedaços de fitas coloridas de 70 cm cada (menos preta e castanha)
  • 1 melão
  • 2 peras
  • 2 maças
  • 2 bananas
  • 1 cacho de uvas verdes
  • 1 cacho de uvas rosadas
  • 2 goiabas
  • 2 pêssegos
  • 6 velas coloridas
  • 1 caixa de incenso da sua preferência, rosas-vermelhas, jasmim, arruda, etc
  • Sementes de sésamo

 

Como fazer uma oferenda?

Numa noite de lua crescente ou nos três primeiros dias da lua cheia, enfeite a cesta com as fitas coloridas da maneira que quiser. Lave as frutas e arrume-as de forma bem bonita, podem estar inteiras. Após montar, salpique as sementes de sésamo no interior da cesta e leve-a para um local alto com bastantes árvores, flores, ou mesmo para uma estrada de terra batida. Ao chegar lá, coloque o lenço no chão e a cesta em cima dele. Coloque os incensos nas frutas mais macias e acenda-os. Acenda as velas coloridas ao redor da cesta. Vá fazendo isso a medida que oferece o agrado para o seu/sua cigano (a).

 

Notas

  • Escolha locais pouco movimentados para deixar o seu agrado
  • Nunca coloque abacaxi e outras frutas azedas em oferendas ciganas

 

 

Morada

Rua do Xisto, n.º 150 . 4475-509 Maia . Portugal
Tel: 965 763 788
Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Horário: De 2.º a Sábado das 10:00h às 19:30h

Livro de Reclamações