Rua do Xisto nº 150,
4475-509 Nogueira Maia

(351) 913 089 277
geral@centroanastacia.com

Nascimento dos Orichas

|
Escrito por Okanbi / Omo Aggayú

 

nascimento dos orichas

 

Cada pessoa é um ser único e diferente dos outros. Em África, como no resto do mundo, existem distintas crenças, fundadas em algo original e histórico. Diz-se que antigamente Deus (Olodumaré) andava pela terra, mas não havia terra ou árvores, nada, unicamente rochas de lava e isto aconteceu por muitos e muitos séculos. Como consequência, o vapor produzido pelas lavas acumulou no céu uma grande quantidade de nuvens que se conseguiam suster. Isto era o que Olofi queria para o Mundo, e então descarregou esta nebulosa nuvem de vapor, e converteu-a em água sobre a lava; nas partes que havia mais lava, ardeu e queimou muita área, deixando-a mais funda, o que resultou em grandes oceanos. Assim nasceu todos os Yemanjas do mar, desde Ocute até Olokun. O africano crê que a lava que havia no planeta era a vontade de Olodumaré, o que iluminava o sol (Algallù) e todo os demais. Antigamente, este Santo (Aggayú) era o mais temido e respeitado. Depois de muitos dias, as cinzas daquelas rochas incandescentes acumularam-se nas partes mais altas e foram formando uma massa lamacenta, era esta a terra de Orichá Oko. 

santaria ou santeria cubana

Esta massa lamacenta trás podridão e epidemias; assim nasce Babalú Ayé. Produto das ervas, nasce Osaín. Os grandes montes são Oke, e nelas nasceram os vulcões, onde Oggún faz o seu ferro. O vulcão era a representação do Orichá Algallú e este era o Orichá mais respeitado e temido em África. 

Da lava do vulcão nasceram os rios (onde nasceu Ochún e Nana Burukú). Daí nasceram os caminhos e veredas e o príncipe Elegwua. Se fixaram bem a história do nascimento da Terra, verão que Yemanjá e Orichá Oko são os Orichás que nasceram primeiro e esta é a razão de que são criadores de todos os seres humanos e os pais da religião e da mitologia Yoruba.

A influência fundamental dos Yorubas sobre nós foi exercida através da sua religião e da sua imaginação. O seu panteão de divindades e Orishas continuam a ser vividos e influentes, e motivou o interesse dos estudiosos. Em África cada Orisha estava vinculado a uma região ou aldeia, já que se tratava de povos distantes e autónomos que viviam em economias fechadas. Assim o culto a estes Orishas era um culto local. No território Yoruba adorava-se Changó em Oyó, Yemayá em Egba, Oggún em Ekití e Oridó e Ochún em Ijebu. 

Aliás, nestes cultos locais, havia alguns Orishás que eram adorados por todas as tribos de uma região, como Obatalá, de quem todos os governantes Yorubas se consideram descendentes. A importância ou posição de um Orishá dependia da grandeza da tribo que o adorava, ou de quantas tribos o adoravam. Em quase todos os casos, os Orishas são homens divinizados depois de mortos. O Orishá é uma força pura, imaterial, que somente pode ser percebida pelos humanos, se eles tomarem a possessão de um deles. O candidato desta possessão, é elegido pelo Orishá, é um dos seus descendentes. Os Orichás são os intermediários entre Deus e os homens e são eles (os Orichas) que através dos seus Oráculos nos falam e advertem dos nossos problemas e nos dão soluções para resolver o que temos em nossas vidas.

Os Orichas também são os guias e protetores da raça humana. Para os Orichás nada é oculto e tudo tem solução. O Santeiro tem a obrigação de conhecer na profundidade os Oráculos pelos quais os Orichas nos falam. Os Orichas falam-nos com vários Oráculos nos quais o principal é o “Dilogun”. Cada Oricha tem o que chamamos uma “mão de búzios” que se compõem de 18 búzios cauries, menos a mão de búzios do Oricha “Eshú Eleggwa”, que é composta de 21 búzios. Acreditamos que quando uma pessoa vem à nossa Ilé (casa) de um santeiro é para procurar uma solução para os seus problemas, os Orichás tem a faculdade em mudar as coisas negativas de nossas vidas e destinos.

Em outras palavras, de certo modo através de uma consulta, oferendas e sacrifícios, podemos alterar todo o mal que existe nas nossas vidas.

 

 

Okanbi

Com a bênção do meu Pai Aggayú e Yemanjá

Para qualquer outra questão sobre este texto, pode-nos escrever para o nosso correio eletrónico e darei mais explicações ou retirarei dúvidas.

 

Comentar


Código de segurança
Atualizar

Categoria: