Rua do Xisto nº 150,
4475-509 Nogueira Maia

(351) 913 089 277
geral@centroanastacia.com

|
Escrito por Anastácia
Categoria:
Entidades certificadoras de apoio a toda a atividade desenvolvida na Anastácia

Saiba mais sobre o nosso programa mensal atividades do centro anastacia para os alunos formados nesta escola.

 

ANASTÁCIA desenvolve mensalmente atividades holísticas de desenvolvimento humano, de forma a criar hábitos e regras diárias para um crescimento sustendo e equilibrado. As nossas atividades desenvolvem-se no Centro Anastácia, e é para todos aqueles, que desejam praticar regularmente. Se desejar fazer a sua marcação, basta ligar e reservar o dia e hora. Caso ainda não seja o nosso aluno, e deseje frequentar as nossas atividades mensais, saiba quais as condições em REGRAS INTERNAS DE ADMISSÃO AO REIKI

 

 

ABRIL 2018

Programa mensal de atividades


PARTILHAS DE REIKI ESSENCIAL

Data: 21 de ABRIL,  Sábado: PRÁTICAS DE REIKI - ESSENCIAL

Tema: Curas com Cristais.

Alunos: Praticantes de Reiki de grau 2 e 3.

Vestuário: Trazer roupa branca (obrigatório).

Horário : 10:00 as 11:30.

Horário : 14:30 as 16:00.

Importante: Deve estar 15 minutos antes das aulas começarem.

Saiba mais sobre as partilhas de reiki no centroanastacia Saiba mais

FORMAÇÃO AVANÇADA DE REIKI ESSENCIAL

Data: 21 de ABRIL, Sábado: FORMAÇÃO AVANÇADA PARA MESTRES DE REIKI - ESSENCIAL

Duração: 1 Ano.

Alunos: Praticantes de Reiki de grau 3.

Vestuário: Trazer roupa branca (obrigatório).

Horário : 16:30 as 18:00.

Importante: Deve estar 15 minutos antes das aulas começarem.

Saiba mais sobre a formação avançada de reiki no centroanastacia Saiba mais

 

CURSO DE REIKI ESSENCIAL MÓDULO 2

Data: 28 de ABRIL, Sábado ás 09.00h: CURSO DE REIKI ESSENCIAL - OKUNDEN

Local: Maia.

Alunos: Já iniciados.

Horário: 43 horas de prática e teórica, incluí o almoço, e mais dezoito aulas de apoio, explicação e partilhas de Reiki em grupo.

Material: Entrega de documentação sobre o curso com toda a explicação, fotos e exercícios sobre o que vai aprender.

Vestuário: Trazer roupa branca.

Certificado: Entrega-se no final da formação os certificados profissionais reconhecidos pela DGERT.

Saiba mais sobre cursos de reiki no centroanastacia Saiba mais

 


WORKSHOP "TÉCNICAS LIMPEZA ENERGÉTICA DA CASA"

Data: 28 de ABRIL, Sábado ás 09.00h: WORKSHOP

Local: Maia.

Alunos: Todos os praticantes com interesse nessa área.

Horário: 8 horas de aulas práticas e teóricas, com explicação detalhada.

Material: Powerpoint de apoio ao workshop com toda a explicação, fotos e exercícios sobre o que vai aprender.

Vestuário: Trazer roupa confortável.

Certificado: Entrega-se no final da formação os certificados.

 
Saiba mais sobre cursos de reiki no centroanastacia Saiba mais

 
 
 
 
 
 
 
 
|
Escrito por Anastácia
Categoria:

Escola Anastácia

Centro Anastácia 2018 - Maia, Portugal

É com satisfação que lhe comunico que a App Escola Anastácia já está publicada nas lojas Apple e Google Play. Poderá efetuar a transferência da mesma em: 


Loja Apple: http://apple.com
Loja Google Play: http:/googleplay.com

Vídeo no Youtube

Fotos da Aplicação

A escola profissional Anastácia Centro de Terapias Alternativas, na cidade da Maia, foi criada com o objetivo de promover e desenvolver na área alternativa, processos terapêuticos inter-relacionados com atividades de autodesenvolvimento, procurando ampliar a qualidade de vida das pessoas.

Agora, a Escola Anastácia também oferece aos seus clientes e amigos uma abordagem individual holística, através da nossa aplicação para telemóvel. Pode agora descarregar a app da Escola Anastácia para aceder a conteúdos sobre os temas que desenvolvemos, e esteja sempre a par da nossa agenda de cursos, workshops e terapias.

Através da app pode fazer o agendamento de sessões, inscrever-se em formações ou adquirir os nossos produtos na loja online.

 

 
 
 
 
 
|
Escrito por Anastácia
Categoria:

protocolos e acordos da anastacia

 

Nesta secção disponibilizamos os protocolos celebrados entre a Anastácia e as diversas entidades. Estes protocolos visam o desenvolvimento e expansão das atividades, e trabalho em conjunto de forma a dinamizar ambas entidades. Para os consultar, clique na ligação respetiva.

 

APRE Associação Portuguesa de Reiki Essencial


Acordo de cooperação entre as duas organizações para o desenvolvimento das Terapias Alternativas ou Complementares. Visite a website em www.apre.pt

Academia de Kickboxinga da Maia


Visite a website em www.kickboxingmaia.com

ALC Associação Lusófona para o Desenvolvimento do Conhecimento


Reconhecida como uma ONGD - Organização não governamental para o desenvolvimento. Visite a website em www.alc.com.pt

Gerações Oficina de Estudos e Artes


Visite a website em www.geracoes.org 

Consulnear Consultadoria de Negócios, Lda


Visite a website em www.consulnear.com

 

 
 
 
|
Escrito por Anastácia
Categoria:

Escrava Anastácia (Pompeu, 12 de maio de 1740, data e local de morte incertos) é uma personalidade religiosa de devoção popular brasileira, adorada informalmente pela realização de supostos milagres. A própria existência da Escrava Anastácia é colocada em dúvida pelos estudiosos do assunto, já que não existem provas materiais da mesma.

escrava anastacia a princesa bantu

O seu culto foi iniciado em 1968 (Ano Internacional dos Direitos Humanos decretado pelas Nações Unidas), quando numa exposição da Igreja do Rosário do Rio de Janeiro em homenagem aos 90 anos da Abolição, foi exposto um desenho de Étienne Victor Arago representando uma escrava do século XVIII que usava máscara de ferro (método empregado nas minas de ouro para impedir que os escravos engolissem o metal).

No imaginário popular, a Escrava Anastácia foi sentenciada a usar a máscara por um senhor de escravos despeitado com a recusa de Anastácia em manter relações sexuais com ele. A máscara seria retirada apenas para que ela fizesse as refeições, e a escrava terminou por morrer de maus-tratos, em data ignorada.

A Escrava Anastácia (a sua história):


Nos meios que militam as lideranças negras, femininas ou masculinas, é comentado muito sobre quem foi e como teria sido a vida e a história da Escrava Anastácia, que muitas comunidades religiosas afro-brasileiras, particularmente, as ligadas à religião católica apostólica romana, gostariam de propor a sua Santidade, o Papa, para que fosse beatificada ou santificada, dentro dos preceitos e dos ritos canónicos que regem este histórico e delicadíssimo processo.

Pelo pouco que se sabe desta grande mártir negra, que foi uma das inúmeras vítimas do regime de escravidão, no Brasil, em virtude da escassez de dados disponíveis a seu respeito, pode-se dizer, porém, que o seu calvário teve início em 9 de abril de 1740, por ocasião da chegada na Cidade do Rio de Janeiro de um navio negreiro de nome “Madalena”, que vinha da África com carregamento de 112 negros Bantus, originários do Congo, para serem vendidos como escravos nesse País.

Entre esta centena de negros capturados na sua terra natal, vinha, também, toda uma família real, de “Galanga”, que era liderada por um negro, que mais tarde se tornaria famoso, conhecido pelo nome de “Chico-Rei”, em razão da sua ousada atuação no circuito aurífero da região que tinha por centro a Cidade de Ouro Preto, em Minas Gerais. Delmira, Mãe de Anastácia, era uma jovem formosa e muito atraente pelos seus encantos pessoais, e, por ser muito jovem, ainda no cais do porto, foi arrematada por uns mil réis. Indefesa, esta donzela acabou por ser violada, ficando grávida de um homem branco, motivo pelo qual Anastácia, a sua filha, possuía “olhos azuis”, cujo nascimento se verificou em “Pompeu”, em 12 de maio, no centro-oeste mineiro.

Antes do nascimento de “Anastácia”, a sua Mãe “Delmira” teria vivido, algum tempo, no Estado da Bahia, onde ajudou muitos escravos, fugitivos da brutalidade, a irem em busca da liberdade. A história se repete. Anastácia, por ser muito bonita, acabou também, sacrificada pela paixão bestial de um dos filhos de um feitor, não sem antes haver resistido fortemente o quanto pode a tais assédios, depois de ferozmente perseguida e torturada, a violência sexual aconteceu. Apesar de toda a circunstância adversa, Anastácia não deixou de sustentar a sua costumeira altivez e dignidade, sem jamais permitir que lhe tocassem, o que provocou o ódio dos brancos dominadores, que resolvem castigá-la ainda mais lhe colocando no rosto uma máscara de ferro, que só era retirada na hora de se alimentar, suportando este instrumento de supremo suplício por longos anos da sua dolorosa, mas heroica existência.

As mulheres e as filhas dos senhores de escravos eram as que mais incentivavam a manutenção de tal máscara, porque morriam de inveja e de ciúmes da beleza da “Negra Anastácia”. (Onde o seu espírito, combate a inveja, ciúmes e a injustiça). Anastácia já muito doente e debilitada, é levada para o Rio de Janeiro onde vem a falecer, sendo que os seus restos mortais foram sepultados na Igreja do Rosário que, destruída por um incêndio, não teve como evitar a destruição também dos poucos documentos que poderiam nos oferecer melhores e maiores informações referente à “Escrava Anastácia” — “A Santa” (assim, é venerada dentro da Religião Afro-Brasileira), além da imagem que a história ou a lenda deixou em volta do seu nome e na sua postura de mártir e heroína, ao mesmo tempo.

Descrita como uma das mais importantes figuras femininas da história negra, Escrava Anastácia é venerada como santa e heroína em várias regiões do Brasil. De acordo com a crença popular, a Escrava Anastácia continua a operar milagres.

 

História de uma princesa Bantu (a sua história)


Versão extraída do livro ”Anastácia escrava e mártir negra”, de António Alves Teixeira (neto) da editora Eco.

Descoberto que foi o Brasil, em 1500 vieram logo os primeiros colonizadores e os governantes, necessário se fazia, desde então o desenvolvimento da terra, especialmente a lavoura. Daí o terem vindo os célebres Navios Negreiros aprisionando os pobres negros africanos, para aqui serem entregues como escravos e vendidos. Eram os infelizes negros oriundos da Guine, Congo e Angola. Entre eles vieram Anastácia uma princesa Bantu, destacando-se pelo seu porte altivo, pela perfeição dos traços fisionómicos e a sua juventude.

Era bonita de dentes brancos e lábios sensuais, olhos azuis onde se notava sempre uma lágrima a rolar silenciosa. Pelos seus dotes físicos, presume-se tenha sido aia de uma família nobre que ao regressar a Portugal, a teria vendido a um rico senhor de Engenho. Pelo seu novo dono, foi ela levada para uma fazenda perto da Corte, onde a sua vida sofreu uma brutal transformação. Cobiçada pelos homens, invejada pelas mulheres, foi amada e respeitada pelos seus irmãos na dor, escravos como ela própria bem como pelos velhos que nela sempre encontraram a conselheira amiga e alguém que tinha “poderes” de cura para os males da alma e corpo.

Serena, submissa aos algozes até morrer, sempre viveu ela. Chamavam-na Anastácia, pois, não tinha documentos de identificação, por ela deixados na pátria distante. Trabalhava durante o dia na lavoura, certo dia veio a vontade de provar um torrão-de-açúcar. Foi vista pelo malvado do feitor que, chamando-a de ladra, colocou-lhe uma mordaça na boca. Esse castigo era infame e chamara a atenção da Sinhá Moça, vaidosa e ciumenta que ao notar a beleza da escrava, teve receio que o seu esposo por ela se apaixonasse, mandou colocar uma gargantilha de ferro.

Coisas do destino o filho do fazendeiro cai doente sem que ninguém consiga curar, em desespero recorrem a escrava Anastácia e pedem a sua cura, o qual se realiza para o espanto de todos. Não resistindo por muito tempo a tortura que lhe fora imposta tão selvaticamente, pouco depois a escrava falecida, com gangrena, muito embora trazida para o Rio de Janeiro para ser tratada. O feitor e a Sinhá Moça se sentiram arrependidos por um sentimento tão forte, que lhe foi permitido o velório na capelinha da fazenda. O seu senhor, também levado pelo remorso, providenciou-lhe um enterro como escrava liberta depois de morta. Foi sepultada na Igreja construída pelos seus irmãos de dor e acompanhada por dezenas de escravos.

Escravatura em Portugal


Na época anterior à formação de Portugal como reino existe registo da prática de escravatura pelos Romanos, pelos Visigodos e durante o Al-Andaluz a escravidão dos cristãos capturados e dos Saqaliba. Depois da independência de Portugal tem-se conhecimento de ataques de piratas normandos a vilas costeiras, das razias que Piratas da Barbária faziam entre a população costeira e das ilhas. As vilas ficavam geralmente desertas e a população era vendida no mercado de escravos do norte de África. Havia chefes corsários que vinham do norte de África até à península que eram elches, “renegados” da fé cristã ou mouriscos capturados que mudavam de “lado”. Os prisioneiros de guerra capturados na península tornavam-se escravos. Só em 6 de julho de 1810 com a assinatura do primeiro tratado luso-argelino de tréguas e resgate, confirmado em 1813, com a assinatura do Tratado de Paz, acabou a razia nas vilas costeiras de Portugal e captura de portugueses para a escravatura no norte de África. Antes de 1415, através do resgate de cativos portugueses fizeram-se os primeiros contactos com comércio de escravos na cidade de Ceuta.

Resgatar familiares era obrigação cuja falta de cumprimento poderia originar pesadas penas. As igrejas mantinham caixinhas de peditório para resgate dos cativos. Crianças e mulheres tinham prioridade de serem resgatadas. Quando em 1415 Portugal conquistou Ceuta havia aí um importante centro comercial onde confluíam rotas de escravos trazidos da África subsariana por comerciantes beduínos. A conquista de Ceuta pelos portugueses, levou os traficantes de escravos a desviar as suas rotas de comércio para outras cidades. Ceuta perdeu então importância comercial, mas tornou-se importante ponto estratégico-militar de vigilância ao comércio de outras mercadorias entre as costas europeias do Atlântico e a península itálica.

Com a presença portuguesa no ocidente do Norte de África, o comércio de escravos não mais recuperou a importância que havia tido sob o domínio muçulmano. Os portugueses, nas viagens que fizeram ao longo da costa na direção do sul de África, contactaram também aí com o comércio de escravos. O primeiro lote de escravos africanos transportados para Portugal foram os que a tripulação do navegador Antão Gonçalves comprou na costa do Argüim (hoje Mauritânia) em 1441. Quando, passado cerca de meio século, os primeiros Portugueses começaram a chegar à Guiné, contactaram também com o tráfico negreiro aí existente, mas nessa altura o objetivo dos portugueses era já a Índia das especiarias.

O desenvolvimento do comércio de escravos, com envolvimento de portugueses, só veio a acontecer no século XVII em competição com holandeses, ingleses e franceses, vindo a ter o seu auge no Século XVIII com o comércio dos escravos africanos para o Brasil. No entanto, o corpo legislativo emanado das chancelarias régias portuguesas é abundante em diplomas destinados a reprimir a escravatura e a proteger os indígenas: provisões de D. João II, de 5 de abril e 11 de junho de 1492, e alvarás de 18 de julho e 10 de dezembro de 1493; a célebre lei de 20 de março de 1570 sobre “a liberdade dos gentios das terras do Brasil, e mais Conquistas”, a provisão de 20 de setembro de 1570, onde o rei D. Sebastião ordena que “Portugues algum nam possa resgatar nem catiuar Iapão, e sendo caso, que resgatem, ou catiuem alguns dos ditos Iapões, os que assim forem resgatados, ou catiuos, ficaram livres…”.

Os alvarás de 5 de junho de 1605, de 3 de julho de 1609, e o alvará com força de lei de 8 de maio de 1758, vão no mesmo sentido. No século XVIII foi, aliás, Portugal a tomar a dianteira na abolição da escravatura. Decorria o Reinado de D. José I quando, em 12 de fevereiro de 1761, esta foi abolida pelo Marquês de Pombal no Reino/Metrópole e na Índia. No Século XIX, em 1836, o tráfico de escravos foi abolido em todo o Império. Os primeiros escravos a serem libertados foram os do estado, por decreto de 1854, mais tarde, os das Igrejas, pelo decreto de 1856. Com a lei de 25 de fevereiro de 1869 proclamou-se a abolição da escravatura em todo o Império Português, até ao termo definitivo de 1878.

Prece de graça para alcançar uma ajuda da Escrava Anastácia


“Vemos que algum algoz fez da tua vida um martírio, violentou tiranicamente a tua mocidade, vemos também no teu semblante macio, no teu rosto suave, tranquilo a paz que os sofrimentos não conseguiram perturbar. Isso quer dizer, eras pura, superior tanto assim que Deus levou-te para as planuras do Céu e deu-te o poder de fazer curas, graças e milagres mil. Anastácia pedimos-te (pedir o que se deseja) roga por nós, proteja-nos, envolva-nos no teu manto de graças e com o teu olhar bondoso, firme, penetrante, afasta de nós os males e os maldizentes do mundo”.

Todas as manhãs, antes de sair para o trabalho, olhe para Anastácia, peça-lhe as suas graças, que tudo correrá bem para si.

 

 
|
Escrito por Anastácia
Categoria:

politica de privacidade anastacia

Recolha de informações

O site www.centroanastacia.com valoriza a privacidade dos seus visitantes e neste sentido compromete-se a respeitá-la, garantindo o sigilo e proteção dos dados registados pelos utilizadores. A presente Declaração de Privacidade, tem como intuito assegurar aos visitantes, condições de segurança e de privacidade na utilização do portal, sendo apenas solicitados e recolhidos os dados necessários à prestação do serviço, de acordo com as indicações explícitas no portal. O visitante tem plena liberdade para aceder aos seus dados, retificá-los ou eliminá-los.
 

Assumimos com os visitantes e utilizadores os seguintes compromissos:

• Proceder ao tratamento de dados de forma lícita e leal, recolhendo apenas a informação necessária.
• Permitir ao titular dos dados o acesso e correção das informações sobre si registadas.
• Manter os dados exatos e, se necessário, atuais.
•Garantir gratuitamente o direito de eliminação dos dados utilizados quando requerida pelo titular.
•Possuir mecanismos de segurança que impeçam a consulta, modificação, destruição ou adição dos dados por pessoa não autorizada a fazê-lo.
 

Cookie

O sítio da Internet www.centroanastacia.com e uma parte das páginas que o compõem pode ser visualizado sem que seja necessário disponibilizar qualquer informação pessoal. Todavia, existem áreas - como a área privada - que exigem a cedência de informação para garantir o acesso a estas, sendo necessário que os utilizadores forneçam os seus dados pessoais, para que possam usufruir dos serviços disponibilizados. Um arquivo cookie é, de acordo com Wikipédia, uma pequena parte dos dados enviados de um site e armazenados no navegador web do utilizador enquanto está a navegar no site. Quando o utilizador navega no mesmo site no futuro, os dados armazenados no cookie podem ser recuperados pelo site para notificar da atividade anterior do utilizador. Os cookies foram projetados para ser um mecanismo confiável para sites, e lembrar o estado, ou a atividade do utilizador tinha tomado no passado. Isso pode incluir alguns dos seus dados, por exemplo, o login, ou um registo de quais as páginas que foram visitadas pelo utilizador nos últimos meses ou anos atrás. Mais informações sobre o assunto pode ser encontrar na Wikipédia.

 

Efeitos de armazenamento e acesso aos cookies:

1. Personalização do site (por exemplo: economia de tamanho da fonte, a versão do site ou do modelo)

2. Salvando dados ou decisões do utilizador, por exemplo: não há necessidade de digitar o nome do utilizador e senha em todos os sites, lembrando-se o login durante a próxima visita.

3. Mantendo informações sobre os produtos adicionados ao carrinho (por exemplo, numa loja online)

4. Websites de integração social (por exemplo: a exibição dos seus amigos, fãs ou pós-publicação no Facebook ou Google+ diretamente do sítio web)

5. Que os anúncios a exibir sejam ajustados ao site.

6. Criação de estatísticas do site e do fluxo entre diferentes sites

Em baixo pode-se encontrar diversos motores de busca que mostram como definir as condições de armazenamento e ganhando acesso aos cookies já armazenados no dispositivo do utilizador para os navegadores de Internet mais populares.

 

Firefox, Crome, Internet Explorer, Ópera e Safari.

 

Devido ao grande número de soluções tecnológicas, não é possível publicar diretrizes claras como definir as condições de armazenamento e acesso aos cookies usando as configurações de todos os dispositivos disponíveis e software instalados neles. No entanto, geralmente, selecione “Ferramentas” ou “Configurações” e deve encontrar a secção que corresponde às definições de configuração de cookies ou para a gestão de privacidade. Normalmente as informações detalhadas são fornecidas pelo fabricante do dispositivo ou manualmente num navegador ou no seu site.

Recolha de dados pessoais

A recolha de dados de identificação do utilizador será efetuada através do preenchimento de um formulário de registo online e ocorrerá de acordo com as mais estritas regras de segurança. O utilizador ao registar-se no www.centroanastacia.com fornece dados pessoais, tais como o nome, correio eletrónico, telefone, entre outros, necessários para subscrever os serviços e newsletters do site. Os dados recolhidos são introduzidos no sistema informático, onde são tratados e processados automaticamente nos termos aprovados pela Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD), destinando-se os dados à gestão dos serviços prestados pelo www.centroanastacia.com, bem como outros fins mencionados abaixo. O www.centroanastacia.com garante ao utilizador registado a possibilidade de, nos termos da Lei n.º 67/98, de 26 de outubro, aceder aos seus dados pessoais através da sua página pessoal, ou formulado para o efeito via correio eletrónico, e proceder à sua atualização e correção.
 

Segurança e Qualidade da informação

É nosso objetivo garantir a qualidade e integridade da informação fornecida pelos visitantes e utilizadores no www.centroanastacia.com tendo, neste sentido, sido implementadas as medidas necessárias, tanto ao nível tecnológico como organizacional, de forma a mantermos a informação segura, precisa, atualizada e completa. Para garantir a máxima segurança, nas áreas do www.centroanastacia.com onde são recolhidos os dados pessoais dos utilizadores, a sua transmissão é encriptada.
 

Partilha da informação pessoal

A informação pessoal recolhida é utilizada pelo www.centroanastacia.com para possibilitar uma prestação de serviço de classificados online de forma a permitir a comunicação de serviços do Reiki. Para além do exposto acima, o www.centroanastacia.com poderá fornecer os dados pessoais associados aos registos às entidades com competência legalmente estabelecida, sempre que esses solicitados por esses organismos na sequência de investigações sobre atividades ilícitas, fraudulentas e/ou de infração aos direitos de propriedade industrial ou intelectual.

 

Links

O www.centroanastacia.com contém links para outros sites, não se responsabilizando pelas de privacidade ou conteúdo desses sites.
 

Ficheiros de Registo estatístico

São registados os endereços IP de todas as ligações efetuadas ao www.centroanastacia.com. Esta será utilizada para efetuar análises estatísticas agregadas. A informação será analisada de forma agregada e anónima. Os dados utilizados para este fim não contém, dados de identificação pessoal ou informação privada. As análises efetuadas a partir da informação estatística agregada permitem interpretar padrões de utilização do portal de modo a melhorar, de forma contínua, o serviço e os de satisfação do utilizador. A informação estatística agregada resultante das análises efetuadas poderá ser revelada a terceiros ou tornada pública.
 

Alteração das práticas de privacidade

Caso o www.centroanastacia.com altere as suas práticas de privacidade, estas estarão sempre disponíveis neste local. Para esclarecimentos adicionais sobre a política de privacidade, por favor contacte www.centroanastacia.com através do FORMULÁRIO DE CONTACTO. A Anastácia Centro de Terapias Alternativas ® é o único proprietário da informação recolhida nesta website. Não vendemos, partilharemos, ou alugamos a recolha desta informação a outros. A recolha destas informações dos nossos utilizadores é feita em diversos pontos no nosso site

 

Envio de Newsletter grátis

Caso deseje receber o nosso boletim de notícias grátis, pedimos que envie o seu endereço de correio eletrónico. Essa informação é usada para enviar o nosso boletim de notícia. Não iremos partilhar ou vender, dar o seu endereço de correio eletrónico para nenhuma instituição ou base de dados. 

 

Inquéritos 

Quando surgirem inquéritos ou questões neste espaço, as suas respostas ficam registadas no nosso banco de dados. Todas as suas informações serão utilizadas apenas para uso interno e não serão vendidas ou transferidas a ninguém. Os resultados do estudo estarão disponíveis para os outros verem, mas o seu endereço de correio eletrónico, não será incluído e não haverá nenhuma ligação com a pessoa nos resultados da pesquisa. O seu endereço de correio eletrónico será adicionado a nossa base de dados das newsletter, e vai periodicamente ser enviada uma cópia gratuita do nosso boletim em Reiki. Caso não deseje mais receber a nossa newsletter, pode remover o seu endereço da nossa base de dados.

 

Não quero voltar a receber a Newsletter

As nossas newsletters cumprem a Legislação Europeia sobre o envio de mensagens comerciais. Qualquer mensagem deverá ser claramente identificada com os dados do emissor e proporcionar ao destinatário uma forma de solicitar a remoção da lista de envio (Diretiva 2000/31/CE do Parlamento Europeu; Relatório A5-0270/2001 do Parlamento Europeu). Para remover o seu email basta que na próxima newsletter que receber clicar na ligação "Remover subscrição" (parte inferior do e-mail).

 
Do nosso grupo, o nosso muito obrigado pelo vosso apoio.
 
Sérgio Silveira e Conceição Pereira

www.centroanastacia.com

 

|
Escrito por Anastácia
Categoria:

 


Termos de utilização da APP Escola Anastácia

A aplicação (APP) valoriza a privacidade dos seus visitantes e neste sentido compromete-se a respeitá-la, garantindo o sigilo e proteção dos dados registados pelos utilizadores. A presente Declaração de Privacidade, tem como intuito assegurar aos visitantes, condições de segurança e de proteção na utilização da aplicação web, sendo apenas solicitados e recolhidos os dados necessários à prestação do serviço, de acordo com as indicações explícitas na APP.

Estes Termos de Utilização das Comunidades (TERMOS) contêm informações importantes sobre como o utilizador (UTILIZADOR) utiliza as abas das Comunidades (COMUNIDADES) da APP Escola Anastacia. Caso aceite os TERMOS DE UTILIZAÇÃO nesta página, estará a aceita-los de uma forma clara todas as regras indicadas neste sítio web. Poderemos modificar, adicionar ou remover qualquer parte destes TERMOS ou qualquer parte dos serviços e funcionalidades da APP. Caso o façamos, alteraremos os TERMOS que estarão acessíveis na APP.

Deve parar de usar as COMUNIDADES, caso alguma futura alteração seja para si inaceitável. O uso das COMUNIDADES indica que aceita os TERMOS GERAIS e as suas alterações.

Geral

Contanto que aceite os TERMOS, a app Escola Anastacia garante-lhe o privilégio pessoal, não exclusivo, intransferível e limitado de aceder as COMUNIDADES. Opiniões expressas nas COMUNIDADES não são endossadas pela app Escola Anastacia. A Escola Anastacia não filtra informações submetidas pelos UTILIZADORES nas COMUNIDADES (MENSAGENS).

A Escola Anastacia pode, mas não é responsável por, editar ou remover MENSAGENS. Vamos fazer o esforço para investigar alegações de MENSAGENS que violem esses TERMOS, mas não garantimos a remoção das MENSAGENS específicas e não possuímos nenhuma responsabilidade por editar, remover ou permitir a divulgação de nenhuma MENSAGEM. O utilizador deve ter 12 anos, ou mais para se comunicar nas COMUNIDADES. Caso possua mais de 12 anos, mas ainda não tenha atingido a maioridade, precisa da permissão dos seus pais ou representantes legais para enviar mensagens. A Escola Anastacia se reserva ao direito de apagar qualquer MENSAGEM, ou tomar ações em relação às contas a qualquer momento, por qualquer motivo que julgar justificável.

 

Regras das Comunidades e Boas Práticas

As COMUNIDADES estão aqui para permitir que os UTILIZADORES se comuniquem sobre assuntos em comum. Seja educado, todos devem se sentir confortável lendo as MENSAGENS e participando nas discussões. Não crie ou responda as MENSAGENS sobre qualquer atividade criminosa. A Escola Anastacia não tolerará insultos ou material impróprio, indecente, difamatório, agressivo, intimidativo, ameaçador, com discurso de ódio, discriminatório, abusivo, vulgar, obsceno, pornográfico, sexualmente explícito, ofensivo quanto a raça, cultura ou etnia. Mantenha-se dentro da Lei.

Não crie MENSAGENS com a intenção de promover ou cometer atos ilegais, ou com material difamatório. As MENSAGENS devem ser da sua autoria, ou de autoria da qual possua direitos legais. Deve garantir que possui ou controla os direitos das informações contidas nas suas MENSAGENS.

Licença de Uso das MENSAGENS

Ao enviar uma MENSAGEM da APP, concorda em fornecer a Escola Anastacia a licença perpétua, sem royalty, não exclusiva e a possibilidade de reproduzir, modificar, adaptar, publicar, criar trabalhos derivados, distribuir e disponibilizar ao público sem exercer, qualquer direito de uso e publicidade a respeito da MENSAGEM. Caso não permita a app Escola Anastacia os direitos acima, não prossiga com o envio das informações.

Recolha de dados pessoais

A recolha de dados de identificação do utilizador será efetuada através do preenchimento de um formulário de registo online e ocorrerá de acordo com as mais estritas regras de segurança. O utilizador ao registar-se na app Escola Anastácia fornece dados pessoais, tais como o nome, correio eletrónico, telefone, entre outros, necessários para subscrever os serviços e newsletters da app. Os dados recolhidos são introduzidos no sistema informático, onde são tratados e processados automaticamente nos termos aprovados pela Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD), destinando-se os dados à gestão dos serviços prestados pela app Escola Anastácia, bem como outros fins mencionados. 
 

Segurança e Qualidade da informação

É nosso objetivo garantir a qualidade e integridade da informação fornecida pelos visitantes e utilizadores na app Escola Anastácia tendo, neste sentido, sido implementadas as medidas necessárias, tanto ao nível tecnológico como organizacional, de forma a mantermos a informação segura, precisa, atualizada e completa. Para garantir a máxima segurança, nas áreas da app onde são recolhidos os dados pessoais dos utilizadores, a sua transmissão é encriptada.
 

Do nosso grupo, o nosso muito obrigado pelo vosso apoio

Sérgio Silveira e Conceição Pereira

www.centroanastacia.com