Oricha Oggun

Oricha Oggun

Este oricha em torno do qual se elabora muitas histórias distintas, tem uma missão muito importante na religião Yorubá, porque é Ochogun de todos os orichas, ou seja, encarregado de dar de comer. Com a sua faca pode matar ou sacrificar qualquer animal, e representa a força de Oggun nas cerimónias.

Todo o sangue derramado nas taças dos demais orichas, primeiro cruza por Oggun, e a missão deste oricha é guerrear por todos nós desta religião, e na vida, já que ele cometeu graves ofensas a sua mãe, Yembó. Devido a essa grave ofensa, Obatalá tratou de maldizer, no entanto, Oggun antecipando isso, amaldiçoou-se primeiro. A sua maldição foi não dormir de dia e de noite até que o mundo não aja injustiças. Ele considera todas as mulheres, incluindo a sua mãe que são iguais. Oggun é bruxo e guerreiro como Changó e em todas as guerras demonstram a sua agressividade. Nasce das entranhas da terra, porque é ferro, e a sua palavra significa guerra e destruição, mas também, medicina, espírito bom ou mau. Este é um oricha de Ilé Ocu e tem muito a ver com os Egguns (espíritos), pois gosta do mundo espiritual e dos mortos e da feitiçaria.

É indispensável para os demais orichas, já que é o encarregado de dar de comer, e a sua esposa é Oyá Iansá, pois ganhou o amor desta ao lutar contra Changó. Teve amores com Yeamanjá, que ensinou a arte do amor, e o motivo em considerar todas as mulheres que são iguais, é porque Yemanjá era sua mãe no caminho de Yembó. Na terra vive com Ochosi, por ordem de Obatalá, ao lado da porta de entrada da casa, para que nada de mau entre na casa por isso Mafarefun Oggún.

 

Dia da semana: quinta-feira.

Cores dos colares: verde e preto.

Saudação: Ago Inle Achaba Oggun que significa “Peço permissão casa e corrente de Oggun”.

Comidas e frutas: batata-doce, melancia, uvas pretas e aguardente.

 

Morada

Rua do Xisto, n.º 150 . 4475-509 Maia . Portugal
Tel: 965 763 788
Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Horário: De 2.º a Sábado das 10:00h às 19:30h

Livro de Reclamações