Casamento Lucumi

Casamento Lucumi

Chamou-me a atenção sobre o casamento Lucumi e queria compartilhar com todos vós, porque sempre podemos aprender mais um pouco. O casamento Lucumí tem algo essencial e especial, algo básico e original, não só preenche a lacuna do material de dois seres humanos, que as circunstâncias juntaram os seus destinos neste planeta. Dizemos que é algo mais religiosamente espiritual.

Na verdade, cada tribo africana, tem os seus costumes e maneiras próprias nos processos de relacionamentos conjugais, mas no casamento Lucumí, o processo é quase semelhante ao nosso. Deve primeiramente perguntar aos pais da noiva se desejam este matrimónio, caso não tenha pais, alguém que esteja próximo da pessoa. Os pais da noiva colocam as suas condições, outros aceitam ou não, mas ele deu a conhecer o seu interesse pela pessoa. Se houver aceitação no cumprimento das suas necessidades materiais, morais então o casamento avança.

Aqui nesta fase a mulher deve ser consagrada no credo religioso do marido, e fica a cargo do homem encontrar um local para viver. Após encontrar esse local o casal leva para o novo local uma pomba e um pombo com o respetivo ninho, e colocam dois ovos que serão depositados no Adde de Obbatalá, e juram a felicidade juntos. Após isso, o noivo leva diversos animais para o seu ebbo e da sua noiva, e estes animais, de acordo com os Orichas são apresentados simultaneamente. Se o homem é Oní Xangô, os animais serão, duas cabras, um bode e dois carneiros, e também se preparar para o Osha da sua noiva, de acordo com o seu Oricha.

Depois de terem sacrificado cada animal, em seguida haverá a cerimónia de casamento. A madrinha e o padrinho e sua respetiva “Oyubona” estarão presentes ou alguém para representá-los na ausência de circunstâncias imprevistas. Eles estarão vestidos com a sua respetiva roupa ancestral e devem ser luxuosas. Vão ao ninho dos pombos e cada um, leva o ovo e o respetivo animal junto, e em seguida o Oriaté invoca por meio de uma oração, os Egguns (mortos ancestrais de cada um). Após está cerimónia os futuros cônjuges, sacrificam os animais a Obbatalá elevando-o os seus braços para o céu pedindo proteção e ajuda divina. O Oriaté lhes dará a cada um coração de cada animal. Os noivos comem os ovos que levaram, juntamente com óleo de palma e oito pimentas. Tudo isto acompanhado pela música a Obbatalá com o canto de louvor.

Terminado este ato, o resto dos outros animais deverá ser dividido para ambos, e essas carnes são para pessoas que ajudarão. As duas pombas da cerimónia, levam a enterrar o pé de uma árvore, onde a cerimónia termina. Depois disto estão sete dias, festejando, dançando e como imensos tambores e tudo isso é pago pelo noivo ou pela sua família. Caso não seja feita estas cerimónias religiosas acredita-se que não haverá ligações entre a terra e o céu e, portanto, a ligação espiritual relacionada com a vida material e sentimental também não acontece na terra. Este é o ritual religioso do casamento Lucumi, e dos povos africanos.

Saudações irmãos

Okanbi

Morada

Rua do Xisto, n.º 150 . 4475-509 Maia . Portugal
Tel: 965 763 788
Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Horário: De 2.º a Sábado das 10:00h às 19:30h

Livro de Reclamações