Sessão ou Boveda Espiritual

|
Escrito por Okanbi / Omo Aggayú
Sessão ou Boveda Espiritual

Orichas - Ikú Lobi Ocha

COMUNICAÇÃO ESPIRITUAL

Aqui deixo uma breve explicação de como se desenvolve uma sessão espiritual, baseado em testemunhos e por experiência própria. Levanto um pouco do véu do que se passa numa sessão espiritual e como devemos procurar nesta sessão os nossos guias e espíritos do passado. Deixo aqui claro, que isto que descrevo não passa do meu ponto de vista, e não será regra tudo aquilo que escrevo e coloco aqui. Cada médium espírita terá o seu próprio método e como tal poderá variar. Em seguida deixo a explicação das missas existentes.  
 

RESUMO:

Qualquer pessoa que se encontre apto para receber e transmitir as comunicações dos Espíritos é um médium, seja qual o meio utilizado e o grau de desenvolvimento das suas faculdades, desde a mais simples influência oculta até à produção dos mais insólitos fenómenos. No uso corrente, o vocabulário tem uma aceitação restringida e diz-se geralmente que são pessoas dotadas de uma capacidade muito grande para a produção de efeitos físicos, como para a transmissão do pensamento dos Espíritos pela escritura ou pela palavra. (Allan Kardec, Revista Espírita, fevereiro, 1859).

Se o médium é de baixa moral, os Espíritos inferiores vêm agrupar-se ao seu redor e estão sempre prontos para tomar o posto dos bons Espíritos que se tenha chamado. As qualidades que preferencialmente atraem os Espíritos bons são: a bondade, a benevolência, a sensibilidade de coração, o amor ao próximo, o desprendimento das coisas materiais. (Allan Kardec – O Livro dos Médiuns, pergunta 227).

A sessão espiritual é parte de quem desenvolve a regra de Ocha ou o Palo, é como a parte que está no meio entre os santos e a nganga. Não tendo as três que se relacionar entre si. É um centro de poder onde coincide diferentes espíritos servidores de distintas funções e interesses, cujos poderes podem ser evocados por um devoto em benefício próprio, da sua família ou de aqueles a quem deseje realizar uma obra de caridade. É composto por nove copos com água, um copo de cristal transparente com água, um rosário e uma cruz ou crucifixo, preferencialmente de madeira (estes integram o Cristianismo). Outros elementos são: flores, nas ocasiões que indicam, uma vela cuja cor será branca ou outras cores, segundo indicação. Também de acordo com as diferentes missas de investigação que são realizadas agregam-se imagens ou objetos, para que um morto em especial vibre no trabalho e se identifique com ele.

 

A sessão deve ser consagrada, por quem está na capacidade de realizá-lo. “Porque de onde estão dois ou três congregados no meu nome, ali estou no meio de eles." (S. Mateo: 13:2O). A Missa Espiritual começa com a leitura de orações de amor ao Pai Celestial e outras de carácter laudatório e de invocação dos espíritos. Concluídas estas primeiras rezas, em que incluem o Pai-Nosso, Ave-maria, etc., considera-se estabelecida a comunicação e tem o consentimento para a abertura da sessão. Os assistentes sentam-se em torno da mesa que constitui o elo principal do altar. Cobre-se esta com uma toalha branca e em cima coloca-se os objetos que adornam a sessão, dirigida aos espíritos guias que vêm por distintos médiuns presentes na sessão.

 

Em ambos os lados da mesa-altar sentam-se os principais médiuns. A sessão deve ser feita em silêncio e a mesa com a sua parte posterior apoiada contra uma parede. A presença dos copos com água significa a assistência aos espíritos protetores, guias de trabalho e a sua finalidade consiste em erigir esses elementos de comunicação. A vela será acesa no começo da missa e queimará na sua totalidade, mas deverá ser substituída caso termine antes de finalizar a sessão. As orações pelos espíritos que acabam de deixar a Terra, não só têm por objetivo dar-lhes a testemunhar a sua simpatia, como também tem por objetivo ajudá-los ao seu desprendimento, isto é, aliviar a turbulência que se segue à separação do corpo terrestre e dar-lhes mais calma ao despertar.

Por esta ou em qualquer outra circunstância, é considerada a eficácia da oração e a sinceridade do pensamento e não na abundância das palavras ditas com pompa, nas quais muita das vezes o coração não integra nenhuma parte. Cada um rege, segundo as suas convicções e do modo que mais lhe convém, pois, entendo que um bom pensamento vale mais que mil palavras. O objetivo da oração é de elevar as almas a Deus, porque a diversidade das mesmas não estabelece nenhuma diferença. Entendemos que todas as orações são boas quando ditas com o coração e não com a boca, ao que se acrescenta: “Deus é demasiado grande para não ouvir a voz e o lamento de quem implora.”

 

EXISTEM DIFERENTES TIPOS DE MISSAS:  

DESENVOLVIMENTO: é o trabalho que se realiza com pessoas que começam o caminho do espiritismo, com elas pratica-se, instrui-se e desenvolve-se a forma como se realizam as missas, guiando na sua aprendizagem, a forma de trabalhar, a comunicação com os espíritos e a forma mais adequada para comunicar com os seus próprios guias. Estas missas são dirigidas por um espírita com conhecimento do trabalho, as pessoas que integram este tipo de missa, são pessoas que realizam feitos raros internos ou externos que escapa à lógica ou ao logrado sem querer uma comunicação com os espíritos.

 

INVESTIGAÇÃO: como a palavra diz é investigar. No trabalho, os médiuns dizem à pessoa os problemas que têm, os porquês e como evitar certas situações no futuro, dando conselhos e também marcando uma limpeza devido à negatividade que a pessoa possa ter. Se esta negatividade é causada por um espírito, então damos luz através de orações e missas, para assim se elevar. Aqui, mostra-se com o trabalho quais os espíritos que compõem o seu quadro espiritual e os diferentes guias e protetores.

 

A UM FAMILIAR MORTO ou COROAÇÃO: aqui também se apresentam os seus guias e protetores, qual é o motivo da sua missão, e onde recebem uma ordem hierarquia nesta missa, em que todos temos quadros espirituais distintos e nele se coroa um espírito. Para esta coroação coloca-se de pé e determina-se o guia principal que comandará desde este dia o seu quadro espiritual. Existem muitas razões para realizar uma missa espiritual, e estas são algumas delas:

 

1. Dar a conhecer as entidades do Quadro Espiritual da pessoa, dos passos que a pessoa poderá dar e da importância que isto significa e para proporcionar o alcance do seu destino na terra.

2. Proporcionar a organização das energias do Éggun para que trabalhem unidas em forma cooperativa.

3. Investigar se a pessoa tem transtornos espirituais latentes, que estão por manifestar-se.

4. Investigar se a pessoa tem dividas contraídas com o Éggun.

5. Investigar o nível de compromisso que a pessoa pode ter com o Éggun, os Espíritos dos seus antepassados, inclusivamente a longo prazo.

6. Conhecer sobre as entidades principais do seu Quadro Espiritual.

7. Determinar as medidas preliminares ou as medidas básicas que a pessoa deverá tomar, para começar a atender ao Éggun se nunca antes o havia feito, para atualizar esta atenção ou para renová-la.

8. Determinar que medidas são necessárias cumprir para impedir o acesso de energias perturbadoras na pessoa, no período de tempo que fica por diante para Yóko Ósha.

9. Efetuar a cerimónia da “Coroação espiritual” da pessoa.

 

Okanbi,

Com a bênção do meu Pai Aggayú e Yemanjá.

Para qualquer outra questão sobre este texto, pode-nos escrever para o nosso correio eletrónico e darei mais explicações ou retirarei dúvidas.

 

Categoria: