Rua do Xisto nº 150,
4475-509 Nogueira Maia

(351) 913 089 277
geral@centroanastacia.com

O mundo dos Orichas

CONHEÇA E PERCEBA ESTA RELIGIÃO AFRICANA

Este blog foi criado com o objetivo de clarificar o que é a Santaria Cubana ao público Português. Muito se fala de Santeria, mas poucos realmente sabem do que se trata. Neste website mostro as diversas linhagens que existem nesta religião, sem, no entanto, entrar em muitos pormenores. Como sabe, esta religião foi passada de pai para filho, sempre de forma oral, e desta forma perdeu-se muita informação durante os últimos séculos. Sendo assim, os textos que aqui coloco serão só um ponto de vista e da minha ilé de Ocha (casa de santo) que pertenço. Sabemos nós que alguns estudiosos e Oriatés desejam sempre mostrar que são eles os sabedores desta religião, mas lembro que nenhum Oloricha, Santero, Oriaté ou Babalawo possui a sabedoria total e sendo assim não devemos falar em verdades “absolutas”.

Aqui neste espaço vamos debater temas e falar abertamente sobre o que é a Santeria, as suas crenças, os seus Orichas e a sua forma de pensar, que passa por desmistificar tabus e crenças que o público, em geral, tem sobre esta religião Yorubá. Desta forma vamos esclarecer aos estudiosos e crentes que a Santaria não passa de uma evolução espiritual real e assenta em princípios históricos, com bases religiosas muito fortes, sobre a caminhada do ser humano na terra. Trata-se de sensibilizar o público, em geral, sobre esta religião. Quando falamos da Santaria, queremos saber do que se trata, se acreditamos em DEUS, e de que forma fazemos esta adoração. Conhecida como “Regra de Ocha”, a esta foi atribuída uma imagem quase sempre negativa, por parte de certas pessoas, talvez por pertencerem a outras religiões, grupos religiosos ou seitas, que se sentiram com autoridade moral para fazer certos comentários, afirmações, criticas e ataques com a maior maldade, sem saber absolutamente nada desta bela religião.

Acredito, que esses crentes sentem-se defraudados, enganados ou confundidos pela sua religião porque chegaram à conclusão de que aquela à qual eles dedicaram toda a sua vida, está cheia de erros, enganos e maldade. Por isso, se quer aprender mais sobre esta bela religião, então consulte os textos colocados aqui neste blogue, e desfrute do conhecimento adquirido durante muitos séculos por este povo.

 
 
Desde já o meu obrigado,
Okanbi / Omo Algallú.
 

ÚLTIMOS TEXTOS PUBLICADOS

Hoje em dia tenho vindo a constatar o crescimento de diversas religiões africanas, pelo mundo. Esta nova necessidade de adaptar uma “nova fé” ao cristianismo já não é recente. Desde os últimos milénios o ser humano tem a necessidade de misturar novas formas de fé. Eu mesmo tive a necessidade de procurar respostas, noutras religiões, de forma a obter conhecimento sobre o que desejava. No entanto, apesar de ter obtido esse conhecimento, nunca misturei “alhos com bugalhos”, e sempre separei as diversas religiões e posturas.

O seu Anjo da Guarda é como fosse o seu pai ou mãe espiritual. A sua caminhada espiritual nesta vida, foi preparado no plano espiritual e energético do Orishas. Consequentemente o que vai a acontecer na sua vida pessoal, embora não consiga compreender na totalidade, mas acredita de alguma forma que muitos aspetos, reações, conflitos, que está previsto, estão associados ou ligados, principalmente ao seu Oricha.

O morto tem de ser mantido feliz e satisfeito, e temos que respeitar tanto como aos santos. Se estivermos atentos aos nossos antepassados, criamos um dos alicerces mais firmes da religião africana. As almas dos mortos não devem comer dentro de casa, e as suas ofertas são colocadas no pátio, mais longe da casa e de preferência num local limpo e protegido.

 

Os ebós são oferendas feitas para Orixás, Odú, Eguns e outras divindades para diversas finalidades, sejam elas feitas para apaziguar algum problema, sejam em forma de agradecimento de alguma graça atingida, por alcançar algum objetivo ou simplesmente para agradar as divindades que estão a ser adoradas. O princípio da Santeria se baseia no ebó, nas oferendas propiciatórias obtendo a redistribuição do Axé e mantendo o seu equilíbrio vital.

Bênção para todos e espero que estes textos sejam úteis. Tenho notado muitas vezes em diversos lugares, que se perdeu o respeito aos maiores da religião yorubá e dedico este texto a todos eles. Lembre-se que podemos ser melhores a cada dia.

 

Depois de haver cumprido com o morto, a pessoa que procura participar de esta religião, necessita saber qual é o Santo ou Oricha que vai proteger quando chegar o momento de receber o Santo. Significa o passo mais importante da religião e é o que marca o Santeiro. Este passo não é parte da iniciação, mas que pode praticar a religião sem que o Oricha peça este passo. Este conceito é importante porque é errado pensar que qualquer um faz Santo quando quiser e, porque qualquer outra razão.