Rua do Xisto nº 150,
4475-509 Nogueira Maia

(351) 913 089 277
geral@centroanastacia.com

O aborto e a Santeria

|
Escrito por Okanbi / Omo Aggayú

aborto e a santeria

Com muito respeito a este tema é um assunto demasiado delicado para criar uma controvérsia e efeitos que geralmente cria divisões. Nesta religião o aborto só devera-se fazer quando se fala de uma anomalia geneticamente na conceção ou que tenha sido produto de uma violação, mas humildemente penso que por nenhum motivo deve ser uma situação pensada em cima do joelho. 

Devemos pensar que vai mudar a sua vida automaticamente, claro que como religiosa que é essa pessoa, deve saber também das consequências que os santos nos podem trazer. Se esse nascimento é uma consequência do amor de uma união entre um casal, então essa situação vai ser o seu eterno Osogbo (problemas) pois desta problemática aparecem os arrependimentos. santeria ou santaria cubana em Portugal

Mas em que consiste a vida para os crentes senão em enfrentar as dificuldades e tratar de superá-las com fé, inteligência e princípios morais. Para mim a duas questões, uma em que a vida que começou nesse ventre não lhe pertence simplesmente a ela, senão também ao Criador, como de cada um de nós. Somos ou não religiosos? Acreditamos ou não naquilo que fomos ensinados? Também não é lícito dispor da vida de alguém e muito menos de quem não se pode defender-se. 

O aborto é uma falta grave, perguntem se não é assim a Oshún, tanto que muitos pedem amor e paixão. A segunda questão é que estamos chegando a uma insensibilidade tão grande, falo da sociedade que conheço, que é a portuguesa, mas também dos outros países em geral. Insensibilidade, respeito pelo amor com maiúsculas; o havemos reduzido a ter êxito no romance, ou quantas mais relações melhor, tanto para homens como mulheres, mas isto levou a erros consecutivos. 

De esta cultura nascem homens e mulheres débeis que se vêm a baixo ante das dificuldades, e a nossa é uma religião forte, não só pelas suas obras, também deve ser forte pelos seus princípios. Recordemos a sua origem em África, a família era tudo para aquelas gentes. Vejam, apesar de termos fé nos Orishas também vamos a igreja e lemos em Benedito XVI, "Deus é Amor", leiam e verão que as duas religiões se complementam muito bem.

Também estou de acordo que nestes casos devemos nos dirigir primeiro ao nosso padrinho ou madrinha e contar tudo o que se esta passando, devendo consultar com os santos a ver que opinião têm desta situação. Eu não tenho a menor duvida de que os Santos não vão permitir que nós possamos fazer algum erro grave, mas devemos recordar que algumas vezes somos nós mesmos que fazemos para que ocorra esse caminho, por outra parte pense você o que deseja fazer, seja qual seja a sua decisão os Orishas a vão apoiar. Peça muito a Elegguá, que lhe abra os seus caminhos e a leve aos corretos. Que os santos vos abençoe sempre.

 

Okanbi

Com a bênção de Meu Pai Aggayú e Yemanjá

Para qualquer outra questão sobre este texto, pode-nos escrever para o nosso correio eletrónico e darei mais explicações ou retirarei dúvidas.


Comentar


Código de segurança
Atualizar

Categoria: